O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Nota de Abertura
A+ / A-
Nota de Abertura

Atentado em Paris é um teste crucial para o futuro

07 jan, 2015 • Nota de Abertura • Opinião de Nota de Abertura


Só uma Europa consciente da sua matriz e dos pilares que ainda a sustentam recusará respostas meramente autoritárias e securitárias, baseadas no medo e na ignorância.
O atentado brutal de Paris está relacionado com o trabalho de um jornal satírico, mas o alvo era o coração democrático das nossas sociedades.

E nesse coração devem habitar, de modo indissociável, liberdade e responsabilidade.

Mas um coração fraco, que acredita em pouca coisa e que desprotegeu os seus valores, tem dificuldades acrescidas em conjugar liberdade e responsabilidade.

Nas últimas décadas, as sociedades europeias desarmaram-se – ou deixaram-se desarmar – de muitos valores que alicerçavam a sua vida social; passaram a acreditar em quase nada e, anémicas de valores, tornaram-se frágeis e permeáveis às mais diversas convicções alheias.

Por isso, este atentado - violento e cobarde – à semelhança de outros que têm semeado o terror no Iémen, na Nigéria ou na Turquia, constitui um desafio, agora ainda mais exigente, aos valores essenciais que definem as nossas sociedades.

Só uma Europa consciente da sua matriz e dos pilares que ainda a sustentam recusará respostas meramente autoritárias e securitárias, baseadas no medo e na ignorância.

Na recusa da justiça privada, na resposta aos criminosos, na exigência de justiça, na prevenção, no combate ao preconceito fácil contra o islão ou contra os imigrantes - em tudo é preciso articular liberdade com responsabilidade.

Na sequência deste cruel atentado de Paris começa - para os europeus e para os seus líderes - um teste crucial para o futuro.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.