Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Espanha: eleições à vista

11 fev, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O governo minoritário do PSOE parece não passar desta semana. Vêm aí eleições gerais em Espanha.

O primeiro ministro espanhol, o socialista Pedro Sanchez, apresenta hoje no parlamento, em Madrid, a sua proposta de orçamento, que será votada na quarta. Tudo indica que não será aprovada, o que implicará novas eleições legislativas.

P. Sanchez não apenas não tem maioria nas Cortes (o parlamento de Espanha) como conta ali com poucos deputados do seu partido, o PSOE. Conseguiu, em 1 de Junho passado, ser investido como primeiro-ministro graças ao apoio pontual de partidos das autonomias, como é o caso dos independentistas catalães.

Ora, aí P. Sanchez sofreu uma dupla derrota. Na sua tentativa de negociar com esses independentistas o primeiro-ministro fez demasiadas concessões. A última foi aceitar um diálogo com os independentistas da Catalunha como se de outro país se tratasse, com um mediador neutro (designado “relator”).

Esta proposta foi duramente criticada, não só pelos partidos à direita do PSOE, como por muitos militantes deste partido, incluindo o antigo primeiro-ministro Felipe Gonzalez. As tendências independentistas em algumas regiões autónomas de Espanha, como a Catalunha e o País Basco, são muito impopulares no resto do país.

A outra derrota foi o desacordo com os independentistas catalães, que assim não irão votar a proposta orçamental de P. Sanchez. O PSOE sempre foi um defensor da unidade de Espanha e da inconstitucionalidade da posição dos independentistas catalães. Sanchez também fez questão em não interferir na justiça espanhola, considerada parcial por vários dirigentes catalães; amanhã o Supremo Tribunal começa a julgar 12 dirigentes independentistas que foram presos.

Na própria Catalunha cerca de metade da população não quer separar-se do Estado espanhol. Nem a UE, contra o que alguns esperavam, deu qualquer apoio aos secessionistas.

Agora prevêem-se eleições gerais antecipadas em Espanha. O Partido Popular (PP), o Cidadãos e o Vox (extrema-direita) já se uniram para apoiar um governo de direita na Andaluzia, desalojando o PSOE. O Vox foi novidade e empurrou o PP mais para a direita. Veremos se o centrista Cidadãos aceitará entrar numa eventual coligação com o PP e o Vox para um governo nacional. Já um governo de esquerda (PSOE com Podemos) parece improvável.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.