A+ / A-
Brexit

Portugal quer acesso garantido às águas da Noruega num futuro acordo UE-Reino Unido

26 nov, 2018


Portugal quer manter acesso em futuro acordo de pescas sob o modelo que permite à Noruega pescar em águas britânicas em troca de acesso às suas pelo Reino Unido.

Portugal tem interesse em manter, quando se negociar um acordo de pescas pós-‘Brexit’ com Londres, a situação que permite à Noruega pescar em águas britânicas em troca de acesso às suas, disse à Lusa fonte oficial.

“Até agora, o nosso principal interesse na pesca em águas do Reino Unido tem a ver – e esperemos que não haja alterações em 2019 e 2020 – com o facto de a Noruega poder aí pescar, nomeadamente, sarda e verdinho, em troca de possibilidades de pesca de bacalhau em águas da Noruega”, sendo que Portugal é um dos Estados-membros que captura bacalhau em águas territoriais norueguesas, segundo fonte oficial do Ministério do Mar.

No entanto, a mesma fonte admite que “não será mesmo nada fácil” a negociação. Diretamente, Portugal não tem qualquer quota de pesca em águas territoriais do Reino Unido.

A questão do acesso dos navios de pesca da União Europeia (UE) a águas britânicas terá de ser negociada depois de terminar o período de transição pós-‘Brexit’.

Os líderes dos 27 validaram no domingo, numa cimeira extraordinária em Bruxelas, o acordo de saída do Reino Unido da UE e a declaração política que servirá de base à relação futura entre as partes.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, notificou por escrito esta segunda-feira o parlamento britânico de que o Governo alcançou um acordo para a saída da UE, agendada para 29 de março de 2019, onde o documento deverá ser votado nas próximas semanas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.