Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A extrema esquerda e a UE

28 ago, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O “casamento” entre o PS europeísta e a extrema-esquerda, que detesta a UE, permitirá a aprovação do Orçamento para 2019. Mas, depois das eleições, não será renovado.

No domingo passado Catarina Martins, líder do BE, criticou o PS e em particular o ministro Centeno num comício em Marselha do partido francês de extrema-esquerda liderado por Jean-Luc Mélenchon. Nada de novo, tal como as frequentes críticas do PCP (mas essas feitas em Portugal). Sempre foi clara a oposição destes dois partidos à União Europeia, que consideram um veículo da ortodoxia capitalista neoliberal.

Quando surgiu a chamada “geringonça”, as principais dúvidas quanto à sua capacidade de sobrevivência tinham a ver com o difícil casamento entre um PS europeísta e esses dois partidos de extrema-esquerda, anti UE. As coisas correram melhor para o governo do que muitos (nos quais me incluo) esperavam, enquanto se tratou de reverter medidas duras impostas pela “troika”, aliás trazida a Portugal por um governo socialista. Reversão nos cortes nas pensões e nos salários, por exemplo.

Provavelmente muitas dessas reversões aconteceriam, embora a ritmo mais lento, com um governo de outra cor política. Como também viria a retoma da economia, iniciada ainda no tempo de Passos Coelho primeiro-ministro, e a queda do desemprego.

Mas o governo de A. Costa foi capaz de dar – e mais dará em 2019 – alguns “rebuçados” aos eleitores graças ao novo tipo de austeridade praticada por Centeno: os cortes na despesa pública e sobretudo no investimento do Estado, através de cativações e outras medidas restritivas. Daí, como se sabe, o caos que se instalou em numerosos serviços públicos, no caminho de ferro, na justiça, nas forças militares e de segurança, etc.

Ora o ministro Centeno, presidente do Eurogrupo, foi infeliz na declaração que fez sobre o fim do terceiro resgate à Grécia. Teria sido indicado falar apenas para o futuro daquele país, que perdeu um quarto do seu PIB nos últimos oito anos. Mas Centeno falou do presente – a saída dos gregos do programa de assistência. Ora o mesmo Centeno não só tinha criticado a aceitação pelo governo de Passos Coelho de muitas medidas de austeridade impostas pela “troika”, como criticara a saída limpa de Portugal em 2014, em condições bem mais favoráveis do que as da saída, agora, da Grécia. Saída que Centeno despropositadamente elogiou.

Mas o grande contributo de Centeno para Portugal - a austeridade disfarçada, via despesa pública (que se nota menos do que a redução de rendimentos) – essa habilidade política continuará em 2019, de maneira a cumprir e até a ultrapassar as metas de Bruxelas. O que não continuará depois das próximas eleições é a “geringonça”, por muitas juras de amor que, pelo menos até à aprovação em novembro do Orçamento para 2019, António Costa e outros dirigentes socialistas façam ao PCP e ao BE.


Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    28 ago, 2018 Sexal 19:19
    Mas que azia. Este senhor sofre de uma patologia grave, ao fim de estes anos todos seria melhor consultar um gastroenterologista, ou talvez, um médico que trate de transtornos mentais. O chavão extrema-esquerda anda a danificar-lhe os poucos neurónios que ainda lhe restam.
  • Ricardo Martins
    28 ago, 2018 Lisboa 13:08
    O Dr . Cabral já sonha com um bloco central com o amiguinho Rio (pobre coitado não dá uma para a caixa ) como vice de António Costa e o regresso ao esplendor neo liberal da miséria do Passos Coelho que mandava todos emigrar ,
  • País de bruxos
    28 ago, 2018 Lisboa 08:14
    Outro bruxo sem o mínimo de vocação para a arte. Enfim, faz pela vida
  • Luís Ligeiro
    28 ago, 2018 Alvito 07:11
    Faz 4 anos diziam que o governo ia abaixo em 2 dias...e continua o mesmo disco riscado após 4 anos...que naúsea.