Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A estranha queda de um ídolo

23 ago, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Aung San Suu Kyi, Prémio Nobel da Paz, lutou décadas pela liberdade na Birmânia. Mas nos últimos anos, apesar de ter poder político, mostrou-se incapaz de impedir atrocidades cometidas pelos militares.

A birmanesa Aung San Suu Kyi, filha do herói da independência da Birmânia – que hoje se chama Mianmar – lutou durante décadas, com grande coragem, contra a ditadura militar que dominou o seu país. Por causa disso, viveu 15 anos em prisão domiciliária.

Mas esta semana foi-lhe retirado um dos muitos prémios que recebeu – o prémio Liberdade de Edimburgo. Motivo: a passividade de Aung San Suu Kyi perante a perseguição a que na Birmânia tem sido submetido o povo rohingya. Recusou-se a condenar a violência contra essa minoria. Diz a ONU que a violência contra aquela minoria muçulmana num país de maioria budista corresponde a uma “limpeza étnica”.

Embora sem ser formalmente chefe do governo, esta mulher é, de facto, quem hoje manda na política birmanesa. Mas parece incapaz de se opor eficazmente às forças armadas, que há anos massacram os rohingya. Por isso multiplicam-se os apelos para que lhe seja também retirado o Prémio Nobel da Paz, que recebeu em 1991, quando ainda estava presa; antes, em 1990, o Parlamento Europeu atribui-lhe o prémio Sakharov, que distingue a liberdade de pensamento. Escreve o jornal britânico “The Guardian” que Aung San Suu Kyi no último ano perdeu sete distinções honoríficas no Reino Unido.

O que levará uma pessoa a renegar implicitamente o seu passado de coragem e frontalidade? Admito que Aung San Suu Kyi seja impotente para travar a tendência sanguinária dos militares; ou que, por eventuais motivos familiares (ser filha de um herói, por exemplo), não queira hostilizar publicamente as forças armadas. Mas, então, porque não abandona o palco político, remetendo-se ao silêncio numa vida privada e recolhida? Francamente, não entendo como esta figura, até há pouco campeã dos direitos humanos e da liberdade, e agora cúmplice, pela sua apatia, de crimes contra a humanidade. É um mistério.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    23 ago, 2018 Cacém 15:58
    Correção: O massacre de Srebrenica foi em 1995, há 23 anos e não 12 anos, como por lapso indiquei no meu anterior comentário.
  • António Costa
    23 ago, 2018 Cacém 15:33
    Não existe mistério nenhum. A minoria a que se refere não será, só por acaso, muçulmana? E Aung San Suu Kyi é muçulmana?- não é. Se Aung San Suu Kyi fosse muçulmana os massacres contra os rohingya, teriam a mesma importância que os massacres do presidente Erdogan contra os curdos. Ou seja, nenhuma relevância. O massacre de Srebrenica conta com 12 anos. Continua a ser falado. Os massacres contra os cristãos no norte da Síria, dezenas de milhares de mortes, passaram quase desapercebidos. Só muito timidamente, quase em segredo se fala disso. Qual mistério?