Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​O conflito EUA-Turquia

13 ago, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Não é impossível que as sanções americanas à Turquia afastem este país da NATO.

A semana começa com alguma preocupação, suscitada pelo conflito entre Trump e Erdogan. O presidente americano está a usar a arma económica (duplicou os direitos aduaneiros nos EUA sobre o aço e o alumínio importados da Turquia) para pressionar as autoridades turcas a libertar um pastor evangélico, mantido em prisão domiciliária. Antes, outras sanções tinham sido impostas à Turquia por Washington. Não são os direitos humanos que fazem mover Trump - ele quer agradar aos evangélicos, tendo em vista as eleições intercalares de Novembro.

O presidente Erdogan recusa ceder e apela aos turcos para ajudarem nesta guerra económica, trocando os dólares, os euros e o ouro que eventualmente possuam pela moeda turca. Mas o câmbio desta, que já estava baixo, caiu 20% após Erdogan falar...

Esta situação causou nervosismo nos mercados, pois há vários bancos europeus que detém dívida privada e pública turca, cujos juros a dez anos atingiram 22%, um nível astronómico. O banco espanhol BBVA, por exemplo, na sexta-feira caiu mais de 5% na bolsa de Madrid.

Erdogan, que há um mês e meio viu consagrados em eleições os seus poderes quase absolutos, tem convicções absurdas em matéria de política económica. Não gosta de taxas de juros elevadas, que considera inflacionárias (uma novidade absoluta na doutrina económica). E o banco central da Turquia obedece ao presidente, não mexendo nos juros, apesar de o défice externo do país quase atingir os 6% do PIB e a inflação ultrapassar os 15%.

O crescimento económico turco abranda, mas ainda se encontra a ritmo razoável. O problema é o endividamento do Estado turco e também das empresas, que frequentemente obtiveram crédito em dólares e euros. Por isso a moeda turca, a lira, tem vindo a cair desde 2014, mas agora a queda acelerou de forma brutal. Acentua-se a saída de capitais da Turquia.

Do lado de Trump, o seu isolacionismo evita intervenções militares, mas joga em força com o poder financeiro e económico dos EUA para impor a sua vontade. Ora a Turquia é membro da NATO, como os EUA. Erdogan fez saber que já tinha conversado pelo telefone com Putin. E um comunicado do Kremlin informou que tinham debatido problemas económicos e comerciais. Irá a aproximação entre a Turquia e a Rússia levar, a prazo, os turcos a saírem da NATO?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    18 ago, 2018 Cacém 08:02
    O presidente turco Erdogan gabou-se de "anular" dezenas de milhares de curdos. Ninguém ligou nenhuma e os protestos dentro da Turquia levaram apenas a mais repressão. Agora a simples prisão de um "pastor evangélico" leva a um desencadear de sanções económicas contra a Turquia. Neste mundo existem cidadãos de primeira e outros de terceira. O presidente Erdogan está a sofrer as consequências disso.
  • Anónimo
    13 ago, 2018 12:08
    Porque é que a Turquia faz parte da NATO? A Turquia é um estado autoritário que não faz parte do "Atlântico Norte". A NATO é uma palhaçada. O estado turco é um estado fascista.
  • Turco
    13 ago, 2018 lisboa 10:39
    Qual o problema.EU acolhe antigos satélites da URSS porque não o inverso?Provocaçao tem respostas inesperadas.Mas a Turquia perder o Ocidente levará a queda do crescimento e diminuição do nível de vida.