Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A ideologia do populismo

07 ago, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O ex-ideólogo de Trump criou um movimento internacional que pretende destruir a UE por dentro.

Há cerca de um século, a democracia liberal era vista como algo ultrapassado, um regime próprio do século XIX. Modernas eram, alegava-se, as doutrinas nazi-fascistas e o comunismo soviético. Doutrinas que, então, não eram meras teorias, mas eram aplicadas em países reais: a Itália e a Alemanha, por um lado, e a União Soviética, por outro.

Se bem que inimigas, essas doutrinas ditas modernas tinham alguns pontos em comum. Por exemplo, todas elas defendiam Estados totalitários. E, mesmo na extrema-direita, tinham raízes socialistas. Não é irrelevante que Mussolini tenha sido, inicialmente, um militante socialista. E o nazismo era... nacional-socialista.

Do lado das democracias, que contra a maioria dos prognósticos, renasceram em força após a II guerra mundial, exageraram-se os benefícios da economia de mercado. A crise financeira global desencadeada em 2008 veio, porém, desfazer as ilusões quanto à capacidade de os mercados, só por si, alcançarem resultados justos. E se auto regularem. A democracia liberal passou a uma posição defensiva.

Hoje, numa época aparentemente menos dominada pelo combate ideológico, vemos Trump, presidente dos EUA, mostrar-se mais próximo de Putin e de outros autocratas do que das democracias liberais. Existem nacional-populismos de direita e também de esquerda, mas ambos detestam a democracia liberal.

Nem Trump nem Putin são ideólogos. Já o presidente da China, Xi Jinping, não rejeita o capitalismo de Estado, que proporcionou à economia chinesa um crescimento fulgurante, mas oficialmente defende o marxismo, “à chinesa”, claro. E restringe as liberdades cívicas e políticas.

Ora o populismo xenófobo e eurocético precisa de alguma ideologia para se tornar num eficaz movimento mundial. Uma ideologia certamente pouco elaborada, assente mais em sentimentos – de frustração, ressentimento, etc. – do que em raciocínios de filosofia política. Como era, aliás, o célebre livro de Hitler, publicado em 1925, “Mein Kampf”,

(“O meu combate”) - um instrumento de propaganda de nível intelectual muito fraco.

O ex-ideólogo da Casa Branca, Steve Bannon, lançou a partir de Londres um movimento para coordenar o populismo de direita na Europa. O seu modelo preferido é o da Itália, com Salvini (cujo grande adversário no país, sobretudo em matéria de imigração, é a Conferência Episcopal Italiana, como notava há dias Jorge Almeida Fernandes no jornal “Público”). S. Bannon não rejeita Marine Le Pen, nem o partido anti-UE alemão, ou os entusiastas do Brexit. E também há partidos populistas de extrema-direita, com certa relevância política, na Holanda, na Suécia, na Dinamarca, na Áustria, na Polónia, na Hungria, etc.

O objetivo próximo de A. Bannon é juntar todas essas forças para que das próximas eleições para o Parlamento Europeu, em 2019, saia um forte grupo parlamentar hostil à integração europeia.

É conveniente não ignorar este movimento que pretende destruir a UE por dentro.


Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Idalina
    07 ago, 2018 Amadora 13:27
    Gostava de perguntar ao Sr. Francisco S. Cabral: portanto para si o futuro ideal para a Europa é uma Europa totalitária, federada à força (sem perguntar aos europeus) em que os países deixam de ter soberania e temos um governo único para a Europa? Se achar que isso é melhor, então saiba que isso não leva à democracia! Isso é o sentimento de superioridade de um poder elitista que acha que o povo não percebe nada e que por isso esta elite vai obrigar o povo a ser obediente às suas ordens, e para disfarçar chama populistas aos que estão contra. Sabe eu sou contra o racismo e tenho pena que sejam os partidos de extrema direita que estejam a defender o futuro da democracia, visto que os partidos "moderados" afinal é que estão a ter e a querer impor ideias radicais de totalitarismo.
  • Dylan
    07 ago, 2018 lisboa 09:06
    Se há movimentos do povo contra a tirania da EU é porque esta defrauda e agride gratuitamente o cidadão comum.Chipre,Grécia,Irlanda ,Portugal,Espanha ,França etc são exemplos.A culpa é da germanizaçao ideológoica e economia centrada em beneficio da Alemanha.Exemplo a auto-europa monta componetes fabricados onde e com now-how de onde?Distorsao da igualdade cria desigualdades e revolta.