O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A Alemanha e as Forças Armadas

02 ago, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Merkel disse que os europeus já não podem confiar nos EUA para se defenderem. Mas a as Forças Armadas alemãs estão em péssima situação.

As duas guerras mundiais da primeira metade do séc. XX foram iniciadas pela Alemanha. E na fase nazi, 1933-1945, o regime político alemão foi uma ditadura totalitária, responsável pelo horror do holocausto, uma iniciativa de ódio demencial e assassino, que prejudicou o próprio esforço de guerra do país. Depois da II guerra mundial, os alemães procuraram voltar ao grupo das democracias liberais, aderindo com entusiasmo à integração europeia. Mas, porventura para esquecerem as atrocidades da guerra, desinteressaram-se da sua própria defesa militar. O que, reconheça-se, nem desagradou aos novos aliados alemães. Basta lembrar o nervosismo com que M. Thatcher e F. Mitterrand, após a queda do muro de Berlim, encararam a reunificação alemã. Uma RFA relativamente desarmada tranquilizava quem, no Reino Unido e em França, tinha ainda viva a memória da guerra.

Durante décadas, o problema da fraqueza das Forças Armadas da RFA não foi muito sentido também porque os EUA garantiam a defesa da Europa ocidental contra um eventual ataque soviético. Mas a guerra fria acabou e o atual presidente dos EUA não garante a segurança dos europeus. Além disso, o Reino Unido (ainda uma potência militar) irá sair da UE.

Por isso se olha para a Alemanha, esperando que ela lidere o reforço da defesa da UE. O que seria coerente com aquilo que a chanceler Merkel disse, com razão, há dias: os europeus já não podem confiar nos EUA para se defenderem.

A Alemanha gasta apenas 1,2% do seu PIB na área militar. O que dá alguma razão aos protestos de Trump e dos seus antecessores. Só que Trump ameaçou sair da NATO se os outros membros não pagarem pelo menos 2% (ele chegou mesmo a falar em 4%) dos encargos da Aliança Atlântica, ameaça que nunca antes um presidente americano fizera. Aliás, a Suécia e a Finlândia, que nem pertencem à NATO, já reforçaram os seus orçamentos de defesa, pois Putin não lhes merece confiança, algo abalada pelo recente aumento de submarinos russos no mar Báltico.

Merkel prometeu subir o orçamento alemão da defesa para 1,5% do PIB até 2024. Mas, segundo sondagens, só 15% dos alemães apoia esta subida; 36% consideram excessivo o presente nível da despesa militar do seu país.

Ora a situação das Forças Armadas alemãs é hoje preocupante. O semanário “The Economist” forneceu alguns dados a tal respeito. Assim, menos de metade dos tanques do exército alemão funciona; dos 50 helicópteros Tiger apenas 12 voam; dos 128 aviões de combate Typhon só 39 estão operacionais; no final do ano passado, nenhum dos seis submarinos alemães estava no mar. E o número de militares tem diminuído: desde a reunificação alemã os efetivos desceram de 500 mil para 180 mil (o serviço militar obrigatório acabou na RFA em 2011).

Uma chanceler politicamente enfraquecida como se encontra Merkel não tem condições nem talvez tempo para acordar a opinião pública alemã quanto ao imperativo de melhorar a capacidade defesa, do seu país e da Europa. É mais um problema sério que a integração europeia enfrenta nesta fase de crise aguda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    03 ago, 2018 Cacém 06:15
    No séc. XIX a "unificação alemã" sob a lideranca da Prussia foi "protegida" pela Inglaterra. Um estado "tampão" entre uma Rússia e uma França com vocações "imperialistas". Na época as invasões napoleônicas ainda estavam "frescas" e a Rússia sempre foi vista como uma ameaça. No séc. XX, as I e II grandes guerras foram seguidas pela "guerra fria". Com o colapso do sistema soviético, os sistemas totalitários aliados do ocidente na guerra fria, tomaram a dianteira. Hoje, num Ocidente aparentemente apático, populismos e terrorismos continuam a aumentar a sua presença.
  • Anónimo
    02 ago, 2018 19:32
    E ainda bem que as forças armadas alemãs estão em "péssima situação". Será mesmo necessário recordar o que aconteceu da última vez que as forças armadas alemãs não estavam em "péssima situação"?
  • Joao Nobre de Carval
    02 ago, 2018 Parede 17:36
    Sarsfield Cabral, a "integracao europeia", como diz, nao me parece ser do interesse dos portugueses, antes pelo contrario, penso que devemos ser nacionalistas, potenciar a participacao na CPLP, o mundo lusofono,, criado com sangue, suor e lagrimas oelos nossos antepassados e por aqueles de nos que combateram na Guerra do Ultramar, em 5oo anos de historia.
  • Germano
    02 ago, 2018 lisboa 10:53
    A politica mundial e dos EUA não é uma incógnita.Tem plano traçado e está intimamente ligado a atividades económicas.A EU/ALEMANHA zurziu EUA/TRUMP e depois geme.fez a sua própria cama a contar com um PR tradicional mas TRUMP veio inaugurar um estilo e qualquer q seja o PR já não tem recuo.Nenhum americano vai aceitar ser cada vez mais dependente , explorado e empobrecido e dependente de todos inclusive órgãos de comunicação social e organizações internacionais.O equilíbrio,independencia e Poder é o fito almejado.A Alemanha queria mandar nos EUA como manda em Bruxelas,rejeita ministro da itália etc.isso nunca vai acontecer.A nova germanização está a implodir a EU.