O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Os mal-amados comboios

31 jul, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A degradação da via férrea e do material circulante desmente sucessivas promessas socialistas de apostar no comboio.

A ligação por autoestrada entre Lisboa e o Porto apenas ficou concluída em setembro de 1991. Mas já então o PS criticava a “aposta no cimento” de Cavaco Silva e prometia empenhar-se na modernização do caminho de ferro quando fosse governo. Promessa sucessivamente repetida.

Mas não foi o que aconteceu. Com J. Sócrates primeiro-ministro, a construção de autoestradas atingiu níveis absurdos. Nalgumas delas ainda hoje o tráfego rodoviário é mínimo. Entretanto, o caminho de ferro definhava em Portugal.

Várias linhas férreas fecharam, porque – alegava-se – tinham poucos passageiros. E o transporte de mercadorias por comboio caía de ano para ano. O que não obstou a que se gastasse uma fortuna na preparação da Linha do Norte para comboios pendulares de grande velocidade. Só que nunca esses comboios puderam atingir as altas velocidades, por incapacidade do traçado da linha... Um dos maiores escândalos de desperdício de dinheiro dos contribuintes em Portugal, do qual pouco se fala.

Em 2013 e 2014 dá-se, porém, uma viragem. Desde então, o caminho de ferro começa a receber cada vez mais passageiros e mercadorias.

Uma bênção? Não, porque a modernização da via férrea e do material circulante foi travada pelo governo de A. Costa. Parece que se vão alugar a Espanha algumas composições para as linhas suburbanas de Lisboa e Porto (e o interior, esquecido como é hábito?). Mas haverá supressão de inúmeros comboios, a tal ponto chegou a degradação da via férrea e do material circulante. Pagam os passageiros, que viajam incomodamente e esperam eternidades pelo comboio que, com sorte, há-de vir. Mas ninguém lhes transmite informações fidedignas. O que se passa na Linha do Oeste, por exemplo, é uma vergonha.

É esta a aposta socialista no caminho de ferro em Portugal? Brilhante, como manifestação de credibilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ADISAN
    01 ago, 2018 Mealhada 16:05
    Continuo a estar bem informado sobre o que se passa na Alemanha ( país onde vivi quase.metade da minha vida) e as notícias que tenho de lá sobre os caminhos de ferro é que os lucros continuam a aumentar, apesar de estarem em modernização contínua, ou exactamente por isso. Contrasta bem com a situação em Portugal. É lógico que quanto menos se investe, menos lucros há e vice-versa. Os Socialistas pautaram sempre por oferecer gratuitamente o que é do Estado (do Povo português) e depois não há dinheiro para investimentos... e tudo acaba na sucata ... com as vias férreas a criar ervas e silvados para alimentar os incêndios.
  • Cesar Lopes
    31 jul, 2018 Covilha 16:22
    Na linha da beira baixa Covilhã -Lisboa faz-se em 4 horas, quase o mesmo que há 30 anos atrás...... noutros países o mesmo trajeto faz-se em 2 horas.