O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral

Os inimigos da UE

26 jul, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Mais grave do que a hostilidade de Trump em relação à UE, que considerou “inimiga”, será o inimigo interno dos valores da Europa comunitária.

Muito se tem falado do encontro de Trump com Putin, em Helsínquia. Curiosamente, a quase ninguém ocorreu lembrar que, em 29 de junho de 2014, foi abatido por um míssil russo um avião da Malaysia Airlines, que partira da Holanda com 283 passageiros, dos quais quase 200 eram holandeses. O míssil foi provavelmente lançado, porventura por engano, pelos rebeldes do Leste da Ucrânia, apoiados clandestinamente pela Rússia de Putin. Uma das raras pessoas que recordou essa tragédia foi o vice-presidente da Comissão Europeia, o holandês Frans Timmermans, que manifestou ao “Financial Times” que a omissão do caso o escandalizava e entristecia.

Trata-se, aliás, de mais um indício da subordinação de Trump a Putin. O semanário “The Economist” classificou a cimeira de Helsínquia de “humilhação”. E um “cartoon” americano mostrava Putin a dizer a Trump, antes de começar a reunião: “não te esqueças que tens de fingir que eu não mando em ti”; Trump acenava que sim, não se esqueceria.

Tudo isto é preocupante. Mas Timmermans tem talvez razão ao considerar que, mais grave do que a hostilidade de Trump em relação à UE, que considerou “inimiga”, será o inimigo interno dos valores da Europa comunitária. Isto é, aqueles Estados membros que se tornaram adversários da imigração e dos refugiados e adeptos de regimes “musculados”, diferentes das democracias liberais – por exemplo, ao não respeitarem a independência do poder judicial, que submetem ao poder político. É o caso, nomeadamente, da Polónia e da Hungria. Neste último país, quem ajudar um imigrante ilegal, um refugiado por hipótese, arrisca uma pena de prisão. Uma norma moralmente inaceitável. E pode acrescentar-se a Itália, cujo governo é comandado pelo fascista Salvini, bem como a Áustria, a República Checa, etc.

A Comissão Europeia já desencadeou procedimentos contra a Polónia e a Hungria. Mas duvida-se que levem a sanções eficazes. Timmermans reconhece já se ter interrogado sobre se teria sido um erro o grande alargamento da UE aos antigos países satélites da União Soviética, em 2004. Porém, o vice-presidente da Comissão conclui que não. Diz ele que as populações desses países, ao contrário dos seus políticos, sentem uma forte ligação à integração europeia.

Oxalá Timmermans não seja demasiado otimista, porque, se a integração europeia perder a sua alma, deixa de fazer sentido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luso
    26 jul, 2018 Mira 09:19
    Hoje não é um dia para comentar neste espaço de liberdade que mts abusam e outros nao mas para enviar felicitações a um ex colaborador DR Fernando Regateiro pelo dia de hontem .