O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-
Opinião de Ribeiro Cristovão

Louvável gratidão

24 jul, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


O jogador italiano Cristiano Piccini, que deixou de integrar os quadros do Sporting Clube de Portugal para passar a vestir a camisola do Valência, lançou uma pedrada no charco ao despedir-se dos adeptos que o acarinharam durante um ano.

Gratidão é, para muitos, o sentimento mais nobre que deve nortear um homem de coluna direita e que não se envergonha de si próprio. Infelizmente, nos tempos que correm, o inverso, a ingratidão, campeia por aí a diversos níveis e, também muito frequentemente, no futebol.

E não penas naquele que se joga dentro das quatro linhas.

De ambas as situações chegam-nos exemplos todos os dias. Talvez muitos mais no mau do que no bom sentido. Atentemos num desses exemplos chegado ontem ao conhecimento do público:

O jogador italiano Cristiano Piccini, que deixou de integrar os quadros do Sporting Clube de Portugal para passar a vestir a camisola do Valência, lançou uma pedrada no charco ao despedir-se dos adeptos que o acarinharam durante um ano.

Diz o jogador na sua missiva que “na minha vida aprendi a agradecer por tudo o que acontece, pelo que nunca foi minha intenção abandonar o clube”. E continua: “Eu, como homem e como pessoa, estou eternamente agradecido a ti, Sporting Clube de Portugal. É também graças a ti que hoje se cumpre o sonho de me tornar jogador do Valência” o que me enche de orgulho”, acentua Piccini.

É reconfortante escutar palavras como estas que, no fundo, são a expressão maior de que no futebol também há lugar para os bons sentimentos.

Bom seria que Piccini não vivesse sozinho nesta ilha pequena onde habitam as pessoas gratas que estão de bem com a vida, consigo, e com os outros.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimo
    25 jul, 2018 Porto 10:42
    Para esse comentador que ai falou só lhe digo que não tem razão, pois se o Bruno de Carvalho tivesse os comportamentos que teve nos últimos meses de presidência até ser destituído, nada disso teria acontecido. Eu pergunto a esse senhor se estivesse no lugar deles e fosse agredido de forma violenta se falava assim. A ingratidão seja eles em que clube for é um mau exemplo nos jogadores, entre muitos
  • Ricardo Martins
    24 jul, 2018 Lisboa 14:34
    Um italiano com um ano de clube demonstra mais respeito pelo clube , que meninos queridos da CS como Gelson e PAtrício ( Podence de tão medíocre que é não conta ) , que saíram pela porta dos fundos demonstrando aquilo que são RATOS , sem ética , nem moral .
  • Ricardo Martins
    24 jul, 2018 Lisboa 13:17
    Um italiano com um ano de clube demonstra mais respeito pelo clube , que meninos queridos da CS como Gelson e PAtrício ( Podence de tão medíocre que é não conta ) , que saíram pela porta dos fundos demonstrando aquilo que são RATOS , sem ética , nem moral .