O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Oração da Manhã
A+ / A-

Sábado, 14 de julho de 2018

Isabel Figueiredo


Oração da Manhã - 14/07/2018
Oração da Manhã - 14/07/2018

Ovelhas e lobos.

Serpentes e pombas.
As Tuas palavras são sempre firmes, intensas.
Questionam a vida de todos, a vida de cada um.
Não estão fechadas no tempo em que a Tua voz se ouvia nas praças
e se seguiam os Teus passos, pela terra batida.
Permanecem no aqui e no agora.
Não é fácil aceitar que os lobos rondam.
Não é fácil aceitar o mal em forma de gente.
Mas a verdade é que haverá sempre ovelhas, capazes de viver em comunidade,
capazes de nos enternecer, do toque macio, de provocar sorrisos.
E pombas que atravessam o céu, poisam em andores floridos,
em praças cheias de gente, tantas vezes inesperadas e sempre belas.
Nesta manhã de sábado, não Te peço um mundo sem lobos.
Vivo com o horizonte da eternidade…
Mas peço-Te que me ajudes a saber distinguir, a saber afastar-me quando for preciso.
E a não perder a capacidade de me encantar com o bom e o belo, o verdadeiro e o honesto,
o perdão e o abraço dado sem nada pedir em troca.
Ajuda-me a ser fiel à Tua Palavra.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.