O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Natalidade - 11/07/2018
O Mundo em Três Dimensões - Natalidade - 11/07/2018
O Mundo em Três Dimensões

Quantas mães são precisas para nascerem dez bebés?

11 jul, 2018 • André Rodrigues Paulo Teixeira (sonorização)


Em 2017, mais de um terço dos bebés nascidos tinham mães com idade igual ou superior a 35 anos.

O envelhecimento da população e a falta de bebés que compensem o saldo populacional é um tema recorrente. Mas há uma tendência que parece cada vez mais consolidada: as mães estão a ter filhos cada vez mais tarde.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, em 2017, 32,1% dos bebés nascidos tinham mães com idade igual ou superior a 35 anos. É o limite mínimo da chamada Idade Materna Avançada que está associada a um maior número de complicações na gravidez e ainda à diminuição da fertilidade.

Estes números do INE coincidem, com a diferença de uma décima, com os de setembro do ano passado, divulgados pela ordem dos médicos.

O estudo publicado na Ata Médica diz respeito a 736 grávidas: 237 (ou seja 32,2%) tinham idade igual ou superior a 35 anos. A idade mediana foi de 37 anos, a apenas sete anos de distância da Idade Máxima. No caso do pai, a idade mediana foi de 38 anos.

A Fundação Francisco Manuel dos Santos fez um estudo para averiguar quantas mães são necessárias para que nasçam dez bebés em Portugal. Em 2016, o último ano analisado, eram necessárias sete; em 2000, seis; em 1980, quatro; e em 1960, duas. Ou seja, em cerca de meio século, o número de nascimentos caiu para menos de 50%.

No início dos anos sessenta do século XX, havia mais de 200 mil nascimentos. Hoje são menos de 90 mil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.