O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A Áustria na presidência da UE

03 jul, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Do Governo austríaco não será de esperar grande oposição à “internacional fascista” que Salvini, o patrão do Governo de Roma, quer implantar, certamente com a bênção de Trump.

Desde domingo passado, a Áustria detém a presidência semestral da UE. Hoje, esta posição já não tem a importância que teve antes de haver um Presidente permanente da União.

Ocupa agora esse cargo Donald Tusk, um polaco que foi primeiro-ministro e é detestado pelo presente governo da Polónia. Mesmo assim, o Estado-membro que presida meio ano à UE pode influenciar a agenda da Europa comunitária. Para a Áustria, o tema prioritário é a imigração.

Será que existe um problema premente nesta área? Tirando a tragédia dos que naufragam no Mediterrâneo, não. O número de refugiados e imigrantes que tentam entrar em território europeu baixou muito. E países que fazem do combate à imigração a sua bandeira, como a Polónia ou a República Checa, quase não têm imigrantes.

Porquê, então, esta prioridade à imigração? Porque é um tema caro aos populistas de direita – rende votos. O que, à primeira vista, se percebe em países como a França ou a Itália, onde os estrangeiros e particularmente os muçulmanos já têm um certo peso demográfico. Mas nos outros países a preocupação identitária parece descabida.

Talvez uma parte, pelo menos, da explicação para a preocupação identitária esteja na história de vários desses países. Tomemos o caso da Áustria, até à primeira guerra mundial sede um vasto império (o chamado império austro-húngaro). Durante décadas Viena foi uma espécie de capital cultural da Europa.

Depois da I Guerra Mundial, a Áustria tornou-se um pequeno país, com uma população menor do que a portuguesa. E a Alemanha atraía muito os austríacos, designadamente a Alemanha nazi, de Hitler – natural de Linz, uma cidade austríaca. Em 1938 Hitler anexou a Áustria à Alemanha. Os judeus austríacos que não fugiram a tempo foram dizimados, reduzindo o brilho cultural do país.

As simpatias nazis de parte dos austríacos foram ocultadas depois da derrota nazi. Mas descobriram-se vários casos, o mais chocante dos quais terá sido o de Kurt Waldheim, secretário-geral da ONU entre 1972 e 1981; depois disso tornaram-se conhecidas as suas ligações nazis na juventude. Por causa do escândalo, os EUA proibiram a entrada de K. Waldheim no seu território.

Todas estas vicissitudes abalam a identidade austríaca, bem como a de outros países do Leste europeu. É algo que nós, portugueses, estranhamos: temos as mais antigas fronteiras da Europa e uma fortíssima identidade nacional.

O presente Governo da Áustria é de direita, nele participando uma força de extrema-direita. Dele não será de esperar grande oposição à “internacional fascista” que o italiano Salvini, o patrão do governo de Roma, quer implantar, certamente com a bênção de Trump.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    03 jul, 2018 15:49
    Estados fascistas a presidir a UE. Vergonhoso.
  • dionisio
    03 jul, 2018 lisboa 11:45
    Com a EU a repudiar TRUMP e este e PUTIN a apoiar eleitoralmente de forma analógica ou digital os movimentos eurocépticos vamos ter grandes alterações na europa.A EU será sempre o q TUMP e PUTIN quiserem e têm o caminho facilitado.A EU sozinha n coseguirá atenuar as migrações precisa de TRUMP e PUTIN.Imaginem em Portugal o cenário da Grécia no Algarve com milhares de migrantes.Como Portugal reagiria?As primaveras e consequentes migrações foram talvez um plano pra destabilizar europaAssim como conspiraram para acabar URSS tb agora haverá conspiração contra europa e não só.Qem semeia ventos colhe tempestades.