O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

​Portugal em risco

29 jun, 2018 • Opinião de João Ferreira do Amaral


Quando este texto vier a público deve estar a decorrer a cimeira europeia que prioritariamente abordará a questão das migrações.

Há poucos dias atrás, realizou-se em Meseberg, como preparação para a cimeira geral, uma cimeira bilateral Merkel-Macron. O resultado desta deve-nos preocupar – e muito.

Pelo que se deduz da declaração final, os dois, sem o dizerem, comprometem-se a prosseguir o modelo de integração europeia, cujas origens vêm desde o tratado de Maastricht e que se tornou muito mais chocante a partir de 2010: ou seja, apostam num pseudo-federalismo governado por um directório constituído pela Alemanha e a França (o que, apesar de tudo, é uma diferença em relação ao directório dos piores tempos da crise, que era constituído apenas pela Alemanha).

A divisão de trabalho entre os dois dirigentes é óbvia. Macron encarrega-se das grandes frases de um federalismo extremo, continuando a apregoar as tolices da “soberania europeia” e do protectorado europeu e apostando num papel dominante da França no domínio militar. Mas , claro: não se esquecem os dois que é preciso reforçar o poder do directório e daí o acordo para reduzir ainda mais as decisões europeias que têm de ser tomadas por unanimidade e para deixar de haver um comissário por cada país. Erdogan não faria melhor.

Quanto a Merkel encarrega-se do que verdadeiramente interessa e dai ser proposta uma alteração institucional da zona euro que, a ser aprovada, tornaria mais prolongada e penosa a austeridade a impor aos países devedores, uma completa sujeição ao directório, através do reforço da condicionalidade na prestação de eventual apoio financeiro.

O risco é tremendo e Portugal pode estar a jogar a sua sobrevivência como país soberano membro da comunidade internacional nesta cimeira geral.

E o cenário é ainda mais perigoso se nos lembramos que os aspectos relativos às migrações que, justificadamente, serão preponderantes, poderão servir para esconder decisões que decorram do acordo de Meseberg.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Machado
    30 jun, 2018 Porto 15:11
    Muito bem observado. Nada mais a acrescentar. Parabéns Doutor.
  • MASQUEGRACINHA
    29 jun, 2018 TERRADOMEIO 15:37
    Subscrevo. Agora é esperar que a História volte a escrever direito por linhas tortas, e assistir de bancada ao que farão perante tal (tentativa de) cenário os visegrados e inliberais e restantes desalinhados avulsos. Ao que chegámos, gente decente a torcer para que gente indecente ponha na ordem a eixolândia... E ainda têm a lata de se queixar da ascensão dos populismos! É que, enfim, os populismos tão depressa ascendem como caem, enquanto que a teia que está a ser montada, colada à dependência do euro, será indestrutível, passará a ser considerada com aquele cinismo benevolente e pragmático com que se define a democracia: imperfeita, mas o melhor sistema possível. Erdogans contra erdogans, e no fim ganha a Alemanha, foi nisto que deu a UE.