O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

​Rebeldia

22 jun, 2018 • Opinião de Henrique Raposo


Um cristão conformado ou conformista é uma contradição nos termos. A fé não é uma bengala, é uma espada.

lguns crentes partilham com o ateísmo uma ideia apressada e pachorrenta de fé. Nesta visão, a fé é um mero conforto, um amparo, que, mais cedo ou mais tarde, cria conformismo. Esta é a visão caricatural que o ateísmo vigente tem da fé e do crente, que é retratado como alguém amorfo, um ser frágil que se remete à concha depois de exterminar todas as dúvidas e perguntas.

Contra este ar do tempo, convém recuperar a ideia de que a fé é uma fonte de rebeldia. A ideia de Deus, sobretudo quando encarna em Jesus, implica uma atitude de constante questionamento dos poderes e modas de cada tempo histórico. Só é preciso um palmo de memória histórica para compreendermos este ponto.

A reboque do black lives matter, muito se tem falado de escravatura e segregação. Pois bem, convém recordar que a escravatura foi ilegalizada pelo ocidente devido ao activismo cristão. Uma série de filmes de fácil acesso ajuda-nos a compreender esta rebeldia baseada no evangelho: em “Amazing Grace”, vemos a acção do político cristão William Wilberforce, o motor inglês da ilegalização do tráfico de escravos nos oceanos; em “Doze Anos de Escravo”, a personagem de Brad Pitt é um oráculo cristão que deixa um aviso: uma nação (EUA) que permite este escândalo aos olhos de Deus merece ser punida; em “Lincoln” fica claro que a ideia cristã de homem – direito natural - esteve na base da oposição moderada (Lincoln) e radical (Thaddeus Stevens) ao mal absoluto que era a escravatura.

Se recuarmos um pouco na história, “A Missão” mostra como foi a ética católica que colocou os índios no perímetro da humanidade; os jesuítas enfrentaram os colonos e as coroas, que viam na figura do índio algo que devia ser tratado no âmbito do direito comercial. Se sairmos da escravatura e entrarmos na segregação, “Selma” mostra como a fé cristã de negros e brancos foi fundamental no movimentos dos direitos civis.

E o que dizer da grande revolta alemã contra o nazismo? O filme “Valquíria” mostra como o grande golpe contra Hitler nasceu na fé de um militar cristão. Entre a lealdade a Deus e a lealdade ao chefe, Claus von Stauffenberg optou pela lealdade a Deus e à consequente revolta contra o poder nazi. Já que estamos num dos paradigmas do mal, Alemanha nazi, também podemos recordar um dos grandes teólogos cristãos do século XX, Dietrich Bonhoeffer, que foi enforcado por ter sido implicado na conjura de von Stauffenberg.

O pensamento de Bonhoeffer chegou ao seguinte dilema: devo aceitar a ordem nazi não recorrendo à violência, ou recorro à violência e mesmo ao homicídio (tiranicídio) para livrar o meu país deste mal? Matar pode ser um mal menor quando o alvo é alguém como Hitler? Dietrich Bonhoeffer chegou à conclusão de que matar o mal era o mal menor. Se há guerras justas, também há rebeliões justas. Como pastor, podia ele simplesmente consolar as vítimas atropeladas pelo condutor louco? Não. Ele tinha de fazer tudo para tirar o louco do volante. Não sujar as mãos pode ser a grande sujeira.

Estes são só alguns exemplos de uma evidência que me parece esquecida por ateus e por muitos crentes: um cristão conformado ou conformista é uma contradição nos termos. A fé não é uma bengala, é uma espada.




Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • arnaldo
    24 jun, 2018 lisboa 11:28
    Fé á a parte irracional das religiões.As religiões foram evoluindo através dos tempos e constituíram a base comportamental de muita civilizaçoes e foram substituídas a nível internacional pela ONU e suas agencias.As contradições entre tradições e ONU criou varias guerras e mortes.Digamos em termos simplista que o estado EUCOMÉNICO de ROMA e outros passou para ONU ,embora esta não seja aceite e consiga todos os seus desejos tal como antigamente as religiões diversas.O grande estandarte da ONU DDD etc caiu com TRUMP,q tornou claro q não vai fazer mais primaveras e implantologia das democracias respeitando vontade povos.Retirou-se da UNESCO,comissao dos DIREITOS humanos etc para não ter barreiras negociais.Portanto estamos perante uma nova ordem internacional em vários aspetos e o OCIDENTE não conseguiu adaptar-se á nova força e orientaçao EUA procura justiça nas transações e coesão mundial.As religiões podem neste contexto sobressair novamente no MUNDO.
  • João Lopes
    23 jun, 2018 Viseu 10:07
    Excelente artigo. É verdade: «A fé não é uma bengala, é uma espada».
  • Manuela
    22 jun, 2018 lx 15:24
    Porquê repisar no passado, o passado foi lá atrás!!! por que inferiorizar os alemães de hoje, se estes não têm culpa nenhuma de nada? para sermos justos como Deus manda, teremos de esquecer o que passaram os nossos avós, porque hoje, somos apenas todos netos, ou se já somos também avós, também os nossos netos, são bem diferentes de nós! os nossos netos nem nunca ouviram falar de Napoleão! então, por que vamos implicar com os franceses? que culpa têm os franceses, netos? 'Espelho meu, esta que está na tua frente, é a minha avó, ou sou eu?' claro que sou eu! C'est moi, mes amis! I'm, my friends! merci, thank you, Alô - Danke! No quintal da Europa, os nossos netos brincarão todos, sem brigas, 'sem rebeldia', sem distinção de raças ou religiões. Agora vocês perguntam: como? - Aprendendo.
  • Miguel Correia
    22 jun, 2018 Lisboa 11:38
    Excelente artigo, pela forma e pelo conteúdo! Resta perguntar o que é que se pede a nós, cristãos portugueses, aqui e agora. Para quando uma advertência severa aos nossos políticos que atropelam os valores do Cristianismo, que são também os valores fundamentais do homem?
  • Antonio Costa
    22 jun, 2018 Cacém 10:17
    Só mais "uma". O que disse é a Origem da Civilização Cristã, tal como hoje a conhecemos. Só e apenas isso.
  • António Costa
    22 jun, 2018 Cacém 10:09
    Em cheio! E o que disse parece-me uma verdade à "Lapalisse". Então o porquê das posições tanto da "esquerda", como da "direita", a repetir as regras imbecis do costume? Recuando no tempo, os "rebeldes" sempre foram cruxificados ou queimados vivos. A "Inquisição" apenas foram os últimos a fazê-lo. Durante dezenas de séculos, os rebeldes e opositores à cultura dominante iam parar à fogueira. A Inquisição só foram os últimos. Só que as pessoas só se "lembram" dos últimos....