O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Cristina Sá Carvalho
A+ / A-

​A caminho do Sínodo dos Jovens, II≠ I+I

19 jun, 2018 • Opinião de Cristina Sá Carvalho


À Igreja, os jovens crentes espanhóis pedem escuta, proximidade, abertura ao mundo de hoje; consideram imprescindível que se comprometa com o Evangelho de Jesus, aceite as diferenças, acolha com tolerância, diálogo e claridade evangélica.

Quando se dá por adquirido que a atual geração de jovens – a mais preparada intelectualmente em toda a história humana – será mais pobre do que o são/foram os seus pais, como se se tratasse de uma evidência criticamente incompreensível e materialmente intransponível, o Vaticano continua a preparar-se para receber jovens de todo o mundo e as várias Igrejas participantes vão tentando compreender que juventudes têm em mãos.

Fazem-no sabendo que o Papa Francisco persiste na incómoda ideia de que não há futuro sem jovens e que, se eventualmente imersos numa cultura idolátrica e daninha, essa cultura não foi inventada pelos mais novos mas «oferecida» por gerações anteriores que não estão dispostas a abrir-lhes passo nem a pagar o seu conhecimento e o seu trabalho. De resto, tal como acontece entre nós – orquestrado num complexo e sádico mecanismo de subserviência económica e cultural – são os cidadãos contribuintes dos países mais pobres que pagam essa formação, logo depois recolhida, pelos países ricos, nas suas indústrias e centros de investigação.

A vizinha Espanha também se ocupou de estudar a situação eclesial e social dos seus jovens, tendo apresentado os resultados em dezembro último, recolhidos junto de mais de 5.000 jovens crentes católicos. Os traços mais relevantes podem resumir-se deste modo: os jovens apreciam e desejam ser escutados, sem julgamentos, e não apenas na Igreja; vivem a sua realidade como um grande desafio, sobretudo por sentirem que não têm garantias mas assinalam como positivo, nos tempos de hoje, o apelo da Igreja quanto à participação social, a promoção da justiça, o cuidado com a ecologia, a procura de paz e a solidariedade para com os pobres; nas suas vidas privilegiam a procura de sentido, a espiritualidade, as relações educativas autênticas e credíveis, considerando que o desporto, as redes sociais e a cultura quotidiana se apresentam como oportunidades para construir e se construir.

À Igreja, os jovens crentes espanhóis pedem escuta, proximidade, abertura ao mundo de hoje; consideram imprescindível que se comprometa com o Evangelho de Jesus, aceite as diferenças, acolha com tolerância, diálogo e claridade evangélica; uma Igreja inclusiva, misericordiosa e samaritana, que trata de todos os feridos. Uma Igreja também mais moderna, com uma linguagem mais sugestiva, renovada, em contacto com as ideias de hoje, comprometida com a justiça, a solidariedade e o cuidado do planeta. Também pedem mais formação para os leigos, de modo a aumentar a sua consciência crente e a favorecer a corresponsabilidade na missão. O relatório final refere que os jovens sentem que não dão nenhum contributo ao mundo e à Igreja porque não são ouvidos.

Talvez as pessoas que não são crentes ou, até, que são antipatizantes convictos da coisa religiosa ou eclesial, considerem que nada disto é relevante ou digno de nota. Mas é, e de um modo muito profundo: nas últimas décadas, muitas pessoas foram-se afastando das Igrejas, quase todas sem bater e porta e sem questionar, lentamente, sentindo-se estranhas e sem desejo ou capacidade de lhes reconhecer interesse ou poder. Muitas pessoas também sentem dificuldade em voltar, mantendo as suas objeções, apesar de e com, as alterações do ciclo de vida. Mas buscam espaços de liberdade e de acolhimento, oportunidades de «ser», de se realizar, de encontrar sentido, de ter paz, de ser feliz, às vezes envergonhados dos seus erros, desiludidos do apoio e do esclarecimento que não encontraram.

É essencial que a Igreja mude, encontrando-se a si mesma, mas não há razão para nenhum foguetório anti-eclesial: porque aquilo que os jovens de hoje sentem e esperam da Igreja é exatamente o que esperam da sociedade, da política e da economia: escuta, aceitação, integração, participação, sem os quais não é possível construir um projeto de vida nem manter são um tecido social. O indiferentismo religioso que resulta desta incompreensão tem um nome político muito apelativo: passaporte para o fanatismo totalitário.

O Sínodo também pretende dar voz ao futuro naquilo que é crucial para o progresso do mundo e a defesa das sociedades abertas e oxalá possa fazê-lo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    20 jun, 2018 TERRADOMEIO 18:40
    Está confirmado: para se constar no Index da Renascença não é preciso ofender o bom nome de terceiros, nem sequer é preciso nomeá-los. Basta dizer que têm riscas, toda a gente conhece logo a zebra. Ou o tigre. Como não posso ter ofendido o seu nome, bom ou mau, devo ter ofendido a sua auto-proclamada qualidade de excelentes católicos... E depois perguntam-se sobre os tantos que saem de mansinho, sem sequer bater com a porta. Deve ser por nem sequer questionarem, está-se mesmo a ver. Ou então é mesmo culpa dos smartphones daninhos. Mas não se está mal no Index, está-se até em boa companhia.