Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​O sobe e desce do petróleo

15 jun, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A perspetiva de um novo “choque petrolífero”, que chegou a ser encarada, parece agora afastada.

O preço dos combustíveis desceu duas vezes nos últimos quinze dias. O sobe e desce da gasolina e do gasóleo depende da evolução do mercado de refinados. Mas, sem existir um paralelismo total, esse mercado tende a acompanhar a evolução do preço do “crude”.

Ora o Brent está acima dos 75 dólares o barril, depois de ter ultrapassado os 80 – um pequeno recuo. Mas houve quem previsse uma subida do “crude” para cerca de 100 dólares nos próximos tempos, o que seria muito penalizador para a economia mundial e, em particular, para a economia portuguesa.

A recente subida do preço do petróleo bruto tem a ver com vários fatores: a quebra de produção na Venezuela, a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão (o que trava a exportação de petróleo iraniano), o sucesso dos cortes na produção da OPEP e da Rússia, etc.

Mas existem sinais de que a subida não irá continuar e o preço do “crude” poderá recuar. É o caso, nomeadamente, do entendimento entre a Arábia Saudita e a Rússia quanto a um aumento da produção e dos avanços tecnológicos na extração petrolífera, que a tornam rendível a partir de preços relativamente baixos – 50 dólares, por exemplo, sobretudo nos EUA (petróleo de xisto).

E começa a pesar uma circunstância que induz a produzir o mais que se pode, o que naturalmente tende a baixar os preços. A própria OPEP prevê que a oferta de petróleo no mercado mundial irá subir mais do que a procura. É que, sabendo que a era do petróleo irá acabar mais tarde ou mais cedo, quem possui reservas quer tirar delas o rendimento máximo, antes que a descarbonização se generalize. A Arábia Saudita, por exemplo, já se esforça por dinamizar atividades económicas que reduzam a sua dependência das receitas petrolíferas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ISIS
    16 jun, 2018 Lisboa 08:47
    Convicto q a era do petróleo durará muitos anos e a produção de meios alternativos produz na produção mais monóxido do q utilização do petróleo. É uma fúria irrealista por enquanto e os detentores de petróleo nos seus países não implementarão medidas alternativas por serem ainda mais caras e pouco eficazes .Tal como TRUMP deixou cair a implantação dos três DDD da ONU ,questões climáticas etc estamos perante uma nova ORDEM INTERNACUIONAL e o Ocidente ao resistir e ser anti-trump está a suicidar-se.Ocidente sem EUA será engolido e desaparecerá assim o PODER NUCLEAR E MILITAR FAZ dos EUA um País inatacável ao contrário do resto do OCIDENTE.Estamos perante a possibilidade de uma guerra nuclear e continua-se a discutir a EUTANÀSIA,TOURADAS etc autenticas patetices agora e qdo vier a guerra .Os ajustes de contas não estarão muito longe.EUA previne Portugal q estará prestes a ser atacado pelo ISIS e andamos a discutir invalores?As milícias civis de utilizadores de armas ,caçadores,ex combatentes do exercito,desportistas de tiro, podem e devem de imediato ser criadas.O caso de MONTECHORO e o julgamento de um recrutador do ISIS em PORTUGAL pôs o País na rota muito provável de atentados.« para os quais o governo marxista n está preparado.