O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Direitos humanos na gaveta

13 jun, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os direitos humanos estiveram ausentes do encontro de Singapura. E também do Mediterrâneo, onde a desumanidade de Salvini foi chocante.

O acordo Trump-Kim foi positivo. Basta pensar no que aconteceria se Trump tivesse abandonado o encontro: voltaria o clima de pré-guerra e de insultos violentos que predominou até há bem poucas semanas.

Claro que o dito acordo é sobretudo uma mera declaração de intenções. O avô e o pai de Kim Jong-un celebraram acordos com os EUA (mas não falaram com o Presidente americano) e depois a Coreia do Norte não cumpriu os compromissos assumidos. Por isso Trump mantém as sanções e irá eliminá-las à medida em que a Coreia do Norte seja “desnuclearizada”. Só que a verificação dessa desnuclearização ainda não foi negociada.

Entretanto, Trump concedeu suspender as manobras militares conjuntas dos EUA e da Coreia do Sul. E Kim prometeu desmantelar uma instalação para testar mísseis de longo alcance (isto é, capazes de atingir os EUA). Também aqui falta saber como será vigiado o cumprimento dessa promessa.

Do acordo também decorre que o os EUA nada farão para democratizar a brutal ditadura de Kim, onde não faltam milhares de crimes contra a humanidade. Trump não se interessa por direitos humanos – deve achar que se trata de um assunto indigno de um grande líder, como o próprio se considera.

Desgraçadamente, a Europa comunitária, que gosta de proclamar o seu humanismo, também parece ter metido os direitos humanos na gaveta. É, pelo menos, o que ressalta do escândalo da recusa italiana de deixar desembarcar um barco com mais de 600 refugiados. Salvini, o líder da extrema-direita que manda no novo governo de Itália, considerou “uma vitória” este gesto desumano e contrário ao direito internacional. Os outros países da UE que recusam receber refugiados (Hungria, Polónia, Eslováquia, República Checa, Áustria…) bateram certamente palmas. Marine Le Pen aplaudiu Salvini.

Valeu a iniciativa do novo governo espanhol de acolher aqueles desgraçados. Um gesto feliz de Pedro Sanchez. Mas que não chega para que a UE faça respeitar valores que são inerentes ao ideal europeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mito
    13 jun, 2018 Lisboa 10:15
    Os direitos humanos só servem de arma de arremesso qdo interessa atingir outros fins.O mundo roda á volta de TRUMP e suas promessas eleitorais.Presbesteriano,anti-aborto,pró-vida,domina senado e camara representantes.A campanha foi elucidativa e está a cumprir o seu programa eleitoral interna e internacionalmente.Evidentemente com 72 anos não brinca aos políticos ,prometeu cumpre porque pode mesmo ao arrepio dos direitos humanos pertence á ala ultraconservadora do partido e tem o processo gay encerrado.Retórica não é com ele,açao sim e tem sido coerente com promessas eleitorais indo contra tudo e todos a favor doutro MUNDO e doutra AMÉRICA.O restante Ocidente nada pode fazer em contrário porque efetivamente será aniquilado sem apoio EUA.Esta á verdade nua e crua.