O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A guerra comercial já começou

11 jun, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Dissiparam-se quaisquer dúvidas: Tump quer mesmo uma devastadora guerra comercial.

Trump entrou atrasado na reunião do G7, no Canadá. E logo propôs que este grupo voltasse a incluir a Rússia, proposta apoiada pelo novo governo de Itália. Tratava-se de uma provocação sem grande novidade. Depois, Trump saiu antes do fim das conversações e retirou os EUA do comunicado final da cimeira, insultando com a sua habitual grosseria o anfitrião, o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau. O G7 não apenas não voltou a ser G8 como se tornou G6.

Para quem ainda tivesse ilusões de que Trump admitisse evitar uma guerra comercial em larga escala, deverá tê-las perdido. Os EUA dispõem de armas poderosas no seu combate ao comércio internacional e às organizações multilaterais. Trump prefere acordos bilaterais, onde prevalece o superior poder económico e político americano; por isso vai destruir a NAFTA, a zona de comércio livre que junta EUA, México e Canadá. E qualquer eventual queixa à Organização Mundial do Comércio por parte dos países lesados pelo protecionismo de Washington será ignorada por Trump.

Trump ameaça fechar totalmente o mercado americano a países que, na sua opinião, procedam injustamente contra as exportações americanas. E esse mercado é enorme. Tem ainda outros trunfos, como o esmagador peso do dólar nas transações internacionais e no sector financeiro mundial. O euro ainda é demasiado frágil para fazer frente ao dólar.

E há a questão da defesa, na qual a passividade europeia dá alguma razão a Trump. Por isso se empenha agora Merkel em criar um núcleo europeu de defesa, incluindo o Reino Unido. Mas o facto é que as forças armadas alemãs estão hoje num deplorável estado, demorando anos a modernizá-las.

Da Alemanha também depende a retaliação da UE às medidas de Trump. Merkel receia que o presidente americano concretize a ameaça de travar a importação de automóveis nos EUA, o que seria dramático para a economia germânica. Por isso ainda pensa em negociações. Esperemos que essa possibilidade não divida os europeus – para isso, já basta a Itália.

Seja como for, vem aí tempos difíceis para a economia mundial. E Portugal estará entre os mais prejudicados, pois assenta o seu crescimento económico nas exportações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.