O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A água é o bem mais precioso

07 jun, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A população portuguesa e os seus dirigentes políticos não revelam uma clara consciência da importância da água e da sua falta.

Desde há meses que raro terá sido o dia em que os “media” não falaram da limpeza das matas e dos meios de combate aos incêndios florestais. Compreende-se, dadas as tragédias de 2017. Por outro lado, começou a ser tema (já tardava!) a crescente desertificação de três quartos do território nacional. Mas pouco se tem falado do problema da água, exceto quando relacionado com a produção de eletricidade (as célebres “rendas”). Disse ao “Público” o presidente da Associação de Distribuição e Drenagem de Água, Rui Godinho: “Teremos carência de água para levar gente e indústrias para o interior. O interior pode ter tudo, até o IRC zero que o Governo agora propõe, mas sem água ninguém vai”. Aliás, um texto de Lurdes Ferreira no mesmo jornal tem como título: “Plano de barragens nunca deu prioridade ao abastecimento de água ao interior”.

Numa entrevista, conduzida por Lurdes Ferreira e Nuno Ribeiro e publicada na segunda-feira passada, são levantados por Rui Godinho vários problemas sobre a água que merecem atenção. Recordando o que se passou em Viseu, disse R. Godinho que nada está resolvido. Para armazenar água faltam barragens, como a do Alvito e a de Girabolhos. Por outro lado, revelou R. Godinho que dois terços das captações subterrâneas de água (os chamados “furos”) não estão legalizados, mas (acrescento eu) promovem um ilusório sentimento de segurança em matéria de abastecimento de água.

Depois, há problemas com Espanha. Quando se realizam reuniões oficiais entre os dois países multiplicam-se os abraços e as palavras tranquilizadoras. Mas os espanhóis praticam o facto consumado – aconteceu na central nuclear de Almaraz e na mina de urânio a céu aberto perto da fronteira portuguesa. Depois de feito o que eles querem, então promovem-se encontros e reuniões, que de pouco servem. Agora, segundo avisa R. Godinho, “Madrid não só autorizou (transvases) como tentou disfarçá-los; deu-lhes outro nome. Em vez de transvases chamou-lhes cessão de direitos”. Por outro lado, é má a qualidade da água em Espanha de rios como o Tejo. Godinho sugere colocar o problema dos rios que Portugal recebe de Espanha na Comissão Europeia.

O ano passado foi de seca grave. Mas as alterações climáticas fazem prever períodos de seca severa ao longo de todo este século. Por que razão não se lança uma campanha a sério de poupança de água? Talvez porque este ano choveu mais. O presidente da Associação de Distribuição e Drenagem de Água julga que não chegam apelos e medidas avulsas para poupar água – “tem de haver uma entidade que coordene o Programa de Uso Eficiente da Água, não só na sua aplicação e monitorização, mas também nos resultados”.

O facto é não existe na sociedade portuguesa nem nos governantes uma atitude determinada de poupança da água, que muitos encaram como se de um bem gratuito se tratasse. Ora, diz Rui Godinho que a água “é o bem tangível mais valioso da terra, mais do que os metais raros, o ouro, o petróleo”.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Augusto Saraiva
    07 jun, 2018 Maia 18:13
    Faltam campanhas de sensibilização para a poupança de água. Por mim, não me canso de dizer que se metade da população poupasse metade da água que eu poupo, teriamos menos probalidades de ficar sem ela...
  • Jorge
    07 jun, 2018 Seixal 16:15
    E porque razão não há uma estratégia a nível nacional para armazenar maiores quantidades de água, para atenuar a falta desta nos anos de seca? Porque há interesses instalados. Apesar de ser um bem escasso, quando a oferta é maior que a procura, os preços não aumentam ou até descem e isso não interessa a muita gente que gere este negócio.