Renascença Reportagem
O espaço de reportagem da Renascença. Terça depois das 12h
A+ / A-
Arquivo
Reportagem - Na soma dos dias - 29/05/2018 - André Rodrigues
Reportagem - Na soma dos dias - 29/05/2018 - André Rodrigues
Reportagem

Na soma dos dias

29 mai, 2018 • André Rodrigues


No dia em que a legalização da eutanásia está no centro do debate parlamentar, a Renascença foi conhecer o trabalho da unidade de cuidados paliativos do IPO do Porto, uma das primeiras a ser criada em Portugal há quase 25 anos. Para estes profissionais, a frustração pela perda de um doente é compensada pela noção do dever cumprido. Mesmo no maior dos sofrimentos, todos acreditam que a vida continua a fazer sentido. Para os familiares, o luto prepara-se antes da morte. Um dia de cada vez.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cristina natal
    25 jun, 2018 Setubal 15:46
    Por motivos profissionais , à cerca de dois anos tive a " grande oportunidade " de conhecer imensos profissionais que trabalham na àrea dos cuidados paliativos PORTUGAL TEM NESTA ÀREA PROFISSIONAIS ALTAMENTE DIFERENCIADOS , E TAMBÉM SERES HUMANOS MUITO ESPECIAIS . . .penso que todos nós nos devemos orgulhar deste facto . . .
  • Cecília Dalila Ferre
    31 mai, 2018 Arreigada Paços de Ferreira 17:34
    Sim a eutanásia todos têm o direito de ter uma morte digna quando a situação já não se justifica devia de ter opção de escolha só quem sente a destruição do próprio corpo e que sabe do que fala que é o meu caso
  • JD
    30 mai, 2018 Porto 11:51
    Parabéns pela reportagem. A música com tom fúnebre é que destuou!