O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A Itália e o euro

29 mai, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A instabilidade e a incerteza dominam a política italiana. O que prejudica a economia.

Na crónica do passado dia 18, pus em dúvida que a coligação entre a Liga (extrema-direita) e o movimento 5 Estrelas (populista) viesse a governar Itália. Pelo menos para já, de facto, não vai governar.

O designado primeiro-ministro, destinado ao papel de “árbitro” entre aquelas duas forças políticas que têm propostas contraditórias, o jurista Giuseppe Conte, não aceitou o cargo, depois de o Presidente da República ter rejeitado o ministro escolhido pela coligação para a Economia e as Finanças, o eurocético Paolo Savona.

Curiosamente, não se viram reações negativas a Conte, por este ter abrilhantado o seu notável currículo com a passagem por algumas prestigiadas universidades estrangeiras, algumas das quais o desmentiram.

O problema foi Savona, que considera a entrada da Itália no euro um “erro histórico”. O Presidente Mattarella não o aceitou porque uma eventual saída do euro desvalorizaria brutalmente a poupança dos italianos, incluindo a das empresas, sobrecarregaria os que estão a pagar empréstimos à habitação (quase todos a taxas variáveis) e alarmaria os investidores externos, nomeadamente os atuais e futuros detentores de dívida pública italiana, cujos juros subiriam dramaticamente.

Ontem, a decisão do Presidente fez subir a cotação do euro e a bolsa italiana; e descerem os juros da dívida da Itália. Mas pode ser sol de pouca dura.

O governo de transição que Mattarella encarregou um antigo funcionário superior do FMI, Carlo Cottarella, de constituir não terá uma maioria no parlamento italiano. Por isso, deverá manter-se como governo de gestão até novas eleições, depois do verão ou mesmo já em 2019.

Por outro lado, a destituição de Mattarella proposta pelos partidos da coligação, ainda que seja aprovada no parlamento, deverá ser rejeitada pelo Tribunal Constitucional, que tem a última palavra na matéria.

A instabilidade política em Itália é frequente desde o fim da II Guerra Mundial. Desta vez é particularmente aguda e ninguém sabe se não continuará depois de novas eleições.

A Liga e o M5E podem voltar a vencer a votação e avançar com novo governo de coligação, eurocético. A incerteza não ajuda a economia italiana a sair da estagnação em que se encontra há anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.