Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - A lentidão da justiça - 12/05/2018
Em Nome da Lei - A lentidão da justiça - 12/05/2018
Em Nome da Lei

A lentidão da Justiça

12 mai, 2018


O Em Nome da Lei deste sábado é dedicado às críticas e apelos feitos pelo Presidente da República na entrevista à Renascença e jornal “Público”, em que falou nos perigos da lentidão da Justiça a julgar casos de corrupção e na perceção de impunidade que essa morosidade cria na sociedade.

Marcelo Rebelo de Sousa questionou também os megaprocessos e admitiu que a reforma da Justiça poderá obrigar a uma revisão constitucional para acabar com os tribunais administrativos e fiscais, passando o contencioso do Estado contra os cidadãos e a fiscalização judicial dos seus atos a correr nos tribunais comuns.

Para percebermos que desfecho podem ter estas ideias – se acabarão arquivadas ou, pelo contrário, darão origem a medidas concretas – temos de conhecer o que pensam os chamados operadores judiciários e os dois principais partidos.

São, por isso, convidados do programa a porta-voz de Rui Rio (PSD) para a área da Justiça, a advogada Mónica Quintela e o vice-presidente da bancada do PS Felipe Neto Brandão.

Das profissões judiciárias, contamos com a participação do bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo, o novo presidente da Associação Sindical do Juízes, Manuel Soares, e o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas.

“Megaprocessos ou megacriminosos?” Alertas de Marcelo em debate
“Megaprocessos ou megacriminosos?” Alertas de Marcelo em debate
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.