Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​As raízes do mal

11 mai, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A tragédia da tortura volta a ser falada nos EUA. Convém não esquecer quem a desculpou e até a “legalizou” no passado recente.

A nova diretora da CIA (era subdiretora quando o diretor Mike Pompeo foi para Secretário de Estado) está a passar por um difícil exame na Comissão dos Serviços Secretos do Senado de Washington, não sendo segura a sua confirmação no cargo. Gina Haspel tem uma longa carreira na CIA, sendo considerada competente. O problema está em que ela autorizou a tortura em interrogatórios a suspeitos de terrorismo numa prisão secreta na Tailândia, em 2002. Parece que G. Haspel também colaborou, depois, na destruição de provas de tortura, entretanto proibida pelo presidente Obama. No Senado, agora, a senhora já prometeu que não voltará a recorrer à tortura nem a prisões secretas no estrangeiro. E disse que não cumprirá “ordens imorais”, mesmo que sejam “tecnicamente legais”.

Em 2002 era presidente George W. Bush. E estava ainda muito vivo o choque do terrível ataque terrorista de 11 de setembro de 2001. Oficialmente, não havia tortura – apenas interrogatórios mais duros (“enhanced interrogation”). A CIA sentia-se autorizada a usar, por exemplo, o simulacro de afogamento (“waterboarding”). Até porque juristas do Departamento de Justiça do governo federal consideraram legais aqueles métodos violentos, em território americano (incluindo Guantánamo) e em prisões secretas no estrangeiro. E altos responsáveis políticos da Administração, particularmente o vice-presidente Dick Cheney, mostravam-se claros adeptos da tortura a suspeitos de terrorismo (tortura com outros nomes, claro).

Ora a tortura está ilegalizada pela Convenção de Genebra de 1949, além de ser moralmente inaceitável. E desde o julgamento de Nuremberga que não serve de desculpa a prática de tortura “obedecendo a ordens superiores”. Ou seja, a tortura sempre foi e é imoral e ilegal, ainda que realizada no cumprimento de ordens.

Nos EUA poderão voltar ordens desse tipo. Trump tem afirmado que acredita na tortura e não vê obstáculos de ordem jurídica ou moral nessa prática sinistra. Também a reabertura de prisões secretas no estrangeiro (nomeadamente em países onde a tortura não seja criminalizada) foi admitida por Trump em janeiro do ano passado.

É cada vez mais claro que a ausência de distinção ética entre o Bem e o Mal, característica de Trump, tem sólidas raízes no passado recente. Os neoconservadores que rodearam George W. Bush defendiam uma América isolada, com aliados apenas pontuais, não dependente do direito internacional nem de resoluções da ONU – “America first”, portanto: era o direito da força, em vez da força do direito. Os EUA tinham acabado de ganhar a guerra fria…

Trump tem, pelo menos, a vantagem de não tentar justificar as suas decisões com a promoção da democracia – que os neoconservadores tentaram impor à bomba no Iraque e no Afeganistão, com os resultados que se viram. Hoje os neoconservadores e aqueles que os seguiram estão calados sobre esse passado de má memória. Trump cumpre o essencial do programa dos “neocons” sem pruridos morais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • qqq
    11 mai, 2018 Lisboa 23:47
    Sarsfield Cabral deve ter passado os anos Obama, em que os EUA armaram terroristas na Libia e Siria, a dormir. Apesar de nesta questao da revisao do acordo com Irao nao concordar com ele, em muitas outras materias Trump tem tentado contrariar a CIA e a NSA, mas a cada passo enfrenta neocons como John Brennan, James Clapper e Michael Hayden. Gente que vem do tempo de Bush Obama. Por isso, teve de fazer imensas concessoes como esta horrivel escolha para a CIA. Mas vai Sarsfield Cabral admitir o desastre que foram os anos Obama ou vai perpetuar a aldrabice de que foram anos dourados?
  • João Lopes
    11 mai, 2018 Viseu 20:26
    Excelente análise!
  • Augusto Saraiva
    11 mai, 2018 Maia 10:37
    Quem foi que disse outrora: «Fulano tem a força da razão e por isso o direito de empregar a força na defesa da sua razão!»?!...