Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Uma decisão irracional

09 mai, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A segurança internacional não melhora, antes piora, com a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão.

Trump retirou os EUA do acordo nuclear firmado com o Irão. Nenhuma informação credível existia indicando que Teerão não cumpria o acordo (uma pretensa prova usada pelo primeiro-ministro de Israel foi desvalorizada pelos serviços secretos americanos). Mas Trump declarou inúmeras vezes, antes e depois de eleito, que este era um péssimo acordo.

A França, a Grã-Bretanha, a Alemanha e a UE pediram encarecidamente a Trump que não saísse do acordo. A Rússia e a China, também signatárias desse acordo de 2015, queriam igualmente mantê-lo. Mas Trump tinha que agradar aos seus apoiantes.

Só que, para isso, cometeu uma irracionalidade: se o acordo não era bom, como poderá ser melhor para a segurança internacional o Irão ficar com as mãos totalmente livres para obter a bomba?

Trump diz que vai concertar-se com outros países para chegar a um novo acordo. Mas não apenas esses outros países não acreditam em tal possibilidade, como esta atitude de Trump reforça os radicais islâmicos no Irão, a começar pelo líder supremo Ali Khamenei – que nunca gostou do acordo.

O Presidente Rohani, um dos negociadores do acordo e um moderado, perde obviamente peso político. Não haverá tão cedo outro acordo nuclear com o Irão.

Ou seja, as alegadas esperanças de Trump de que haja uma mudança de regime no Irão não têm sentido, e muito por causa dele. O único sentido possível seria um ataque militar ao Irão. Teríamos, então, uma tragédia pior ainda do que a criada no Iraque por George W. Bush.

Na comunidade internacional só Netanyahu apoiou a desastrada decisão de Trump. E manter o acordo sem os EUA é uma ilusão: as duras sanções que Trump vai retomar também atingirão empresas europeias – se negociarem com o Irão, ficarão certamente sem acesso ao mercado dos EUA.

Para os dirigentes políticos da Europa, sobretudo da França, da Grã-Bretanha e da Alemanha, esta é mais uma humilhação por parte do Presidente de um país dito aliado.

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JMC
    10 mai, 2018 USA/EUA 00:41
    Uma análise tão clara e precisa. Não posso admitir que este meu país tenha abandonado o resto do mundo occidental. É uma verdadeira vergonha para a maioria dos eleitores norte-americanos. Agora, infelizmente, é demasiado tarde. Eu diria que este presidente é um espelho da enorme reacção "populista" no mundo ocidental. Devemos rezar para que esse movimento acabe logo.
  • João Lopes
    09 mai, 2018 Viseu 11:45
    Concordo com FSC: É uma decisão irracional e a “segurança internacional não melhora, antes piora, com a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão". Mas há pessoas para quem o bem só é bem se for feito ou pensado por eles...Trump é um sujeito perigoso, porque parece ser amoral e com uma personalidade algo doentia e orgulhosa! As reações intempestivas e egolátricas de Trump ajudarão a unir os governos europeus!