O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

Facebook: exibicionismo, voyeurismo e demissão cívica

18 abr, 2018 • Opinião de José Miguel Sardica


Década e meia depois da sua invenção, como álbum virtual de fotos de colegas universitários, tornou-se um “big brother” mundial.

O alarido provocado em torno do Facebook e da maneira como, pelo acesso indevido a dezenas de milhões de perfis ali postados, empresas e lóbis menos recomendáveis terão manipulado eleições veio expor os malefícios das redes sociais. O assunto é sério, mas temo bem que, matando o mensageiro, os verdadeiros problemas persistam inalterados.

As potencialidades e números do Facebook são impressionantes. Mais de mil milhões de pessoas o usam em todo o mundo (em Portugal, 4,7 milhões, quase 50% da população). Década e meia depois da sua invenção, como álbum virtual de fotos de colegas universitários, tornou-se um “big brother” mundial. O que cada um lá publica, de fotos, textos ou interações com outros, fá-lo confiando que dessa exposição não virá mal ao mundo, nem que essa informação será observada, segmentada, padronizada e manipulada por macro interesses obscuros, para coisas como eleger Trump ou fazer vencer o Brexit. Mas como o Facebook tem custos, ainda é gratuito para os utilizadores, armazena o mais completo retrato compósito da fatia info-incluída da humanidade e é, finalmente, um negócio que vale biliões, é muito ingénuo acreditar que a mais poderosa rede social do mundo é apenas uma plataforma para falar com os amigos, bisbilhotar conhecidos ou “desamigar” gente de que se deixa de gostar. Como se vê, o lado escuro da rede existe e pode ter efeitos muito negativos.

Não tendo página no Facebook, acho divertida a lógica descartesiana do “apareço, logo existo”, que lhe subjaz, por entre fotos, comentários, estados de alma, “likes” e “emojis”. É uma gigantesca feira de vaidades e uma imensa montra de exibicionismos e voyeurismos. A pulsão e o desejo para tal são muito antigos e eternos na espécie humana; Zuckerberg só inventou um novo meio para os realizar. Acreditando que estão a socializar, abertas ao mundo, as pessoas na verdade fecham-se no círculo dos amigos com quem “falam” na rede, arriscando, de caminho, a sua privacidade.

Também o estudo e manipulação de perfis – de consumo de marcas ou de voto político – é muito antiga. A publicidade e a propaganda sempre agiram da mesma maneira e com os mesmos fins dos que os compradores de dados do Facebook perseguem: segmentar públicos e “targuetizar” mensagens que os levem a comprar “x” ou a votar em “y”. O que é novo é a escala a que isto se faz – e de que Zuckerberg tem obviamente culpas (e talvez interesses), bem como a catadupa de “fake news” que cada internauta engole, perante a falência de um jornalismo sério, capaz de um verdadeiro “fact-check”. E depois há ainda a hipocrisia ou a dualidade de muitos: quando serviram para eleger Barack Obama ou para espalhar as Primaveras Árabes, as redes sociais eram excelentes, quase uma nova democracia direta e incorruptível; agora, porque elegeram Trump ou fizeram ganhar o Brexit, são uma Matrix diabólica e alienante.

Não é verdade. As redes sociais não elegem ninguém; são as pessoas que o fazem – e se o fazem em lógica mimética de rebanho, e não de maneira informada, a culpa também é delas, mesmo que haja crime de violação de privacidade na forma como o Facebook vendeu dados dos seus utilizadores.

Como escreveu Paul Starr, historiador dos média, alertando para a míngua do jornalismo de reflexão num mundo hiperinformado (e desinformado) pela vertigem da internet, “as novas tecnologias não nos libertam das nossas velhas responsabilidades”. Perante o Facebook, a principal responsabilidade de cada um é perceber que o exibicionismo e o voyeurismo precisam de ter limites e que, sobretudo, a consciência cívica e a opinião informada ainda são o melhor caminho para não termos de nos queixar dos usos e abusos do invento de Zuckerberg.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    19 abr, 2018 Cacém 07:04
    Excelente artigo. "... O que é novo é a escala a que isto se faz ..." De resto nada de novo. Exemplo: Há 50 anos não existiam redes sociais., e a legenda de uma Foto sobre a Guerra do Vietname era "Chefe da policia de Saigão executa comandante vietcong" (1- legenda pró CIA). "Chefe da policia de Saigão executa suspeito vietcong" (2) e "Chefe da policia de Saigão executa civis indiscriminadamente" (3). Uma fotografia com três "leituras", mostra que cada um vê, só aquilo que quer. As "noticias" e a propaganda sempre andaram de mão dada. Só vendo a imagem por diferentes ângulos, saber as diferentes opiniões é que se "começa" a perceber o que se passa. O Jornalismo "sério" nunca existiu. Nunca! O que existe ou não, é a Liberdade (Liberdade!) de aceder e poder ver as Diferentes (Diferentes!) opiniões. E isto é Física pura e não Politica! Para poder ver a "três dimensões" os nossos olhos vem a Mesma Imagem por dois ângulos Diferentes! A Diferença é Necessária! O Jornalismo "sério" é uma falácia! E conhecer as diferenças não é a Intersindical defender a CIP! Ou a CIP vir defender a Intersindical! É ser livre de poder falar sem ser perseguido! Sem ser espancado! Sem ser proibido de ter contrato de água e luz em casa! Liberdade não é "obrigar o outro" a "repetir" o que queremos! Os "outros" são livres de ser diferentes!