O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Francisco Assis-João Taborda da Gama
Um eurodeputado a viver em Bruxelas e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver em Lisboa olham para os principais temas da atualidade. À terça e quinta, às 9h15.
A+ / A-
Arquivo
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 17/04/2018
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 17/04/2018
Francisco Assis/João Taborda da Gama

Imagens do interrogatório de Sócrates. "É pornografia judiciária em horário nobre"

17 abr, 2018


A dupla de comentadores da Renascença considera ser lamentável o caso da divulgação das imagens de interrogatórios. Também em análise esteve a polémica em torno nas viagens dos deputados das ilhas.

O eurodeputado socialista Francisco Assis e o professor universitário João Taborda da Gama dizem ser lamentável a divulgação dos vídeos dos interrogatórios feitos a José Sócrates, no âmbito da "Operação Marquês".

As imagens foram divulgadas, na segunda-feira à noite, pela estação de televisão SIC. Mostram, por exemplo, momentos em que o antigo primeiro-ministro está a ser confrontado pelo procurador Rosário Teixeira e pelo inspetor tributário Paulo Silva sobre despesas de férias e outros gastos.

"É pornografia judiciária em horário nobre. É uma vergonha", diz João Taborda da Gama.

"Estamos mais uma vez a assistir a uma situação lamentável", diz - na mesma linha - Francisco Assis.

No debate desta terça-feira, os comentadores da Renascença falaram ainda sobre a polémica em torno nas viagens dos deputados das ilhas. Francisco Assis acredita que os deputados envolvidos não agiram de má fé e defende uma "rápida alteração dos procedimentos" previstos pelo Parlamento.

Já João Taborda da Gama considera que "mais vale haver a coragem de subir o salário dos políticos" e acabar com este tipo de subsídios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    21 abr, 2018 évora 02:57
    Uma pouca vergonha o que se passa na justiça Portuguesa , bem pior e na esteira do famoso Nazi Hitler . Uma máquina de propaganda e de chacina ds direitos humanos em Portugal . Aproveitam-se de na maior parte de 99,99% dos Portugueses não perceberem patavina de leis , quanto mais uma linha do Código Penal e Código Processo Penal para não falar da Constituição da República , para meia dúzia de jornalistas meterem a justiça a prostituir-se com o fim de os encher de regalias a troco de uns euros para os senhores da justiça . Tal como no roubo de Tancos ... aqui se vê que também foi o Padre o culpado . Uma desgraça quem cai nas mãos dos justiceiros e justiceiras hoje na justiça Portuguesa ... uns chulos e chulas da desgraça humana , diria mesmo ... uns e umas dementes .
  • MASQUEGRACINHA
    18 abr, 2018 TERRADOMEIO 16:59
    Mas só falam do Sócrates porquê? Pelo menos no que vi (na SIC), foi uma bela sucessão de personalidades, umas mais espumantes que outras: Zeinal, Granadeiro, Cruz, Ricardo Salgado, Bataglia, Barroca, até o Carlos Silva "porquinho mealheiro" e sua desencantada esposa... O incómodo dos advogados do Sócrates, perante a cansativa peixeirada e tiques histriónicos do cliente, era evidente. Só pela história da compra por atacado do livro se vê o que a casa gasta: Sócrates negando veementemente uma "operação" que Carlos Silva explica ao detalhe, e de que a desencantada esposa descreve a execução concreta, o "giro" pelas livrarias, porque o marido tinha que agradar "lá ao amigo"... E o Salgado, aquele cavalheiro de mansas falas, a espetar o facalhão nas costas do Bataglia e do Cruz? Tudo óptimos rapazes. Com ou sem ilegalidade, a peça da SIC é excelente: dá para perceber a complexidade incrível das teias de manobras e enredos que o MP se atreveu a (tentar) deslindar, e o porquê de ser quase impossível consegui-lo. Da tal ilegalidade, fica-nos o consolo de os ver obrigados a descer à terra, a responder a perguntas sentados numa cadeirinha desconfortável, a viverem uma experiência que nunca supuseram possível, mais ou menos histéricos, mal-educados, judas ou lambe-botas, consoante os feitios. Se foi pornográfico, foi pornografia pedagógica. Para nós, claro, que eles são daqueles que só se arrependem... de terem sido apanhados.
  • Maria Pereira
    18 abr, 2018 Braga 15:44
    Realmente acho lamentável que se sugira, como solução, subir os salários dos políticos para evitar atribuir subsídios! Eu, e milhares de colegas estão agora nesta situação, trabalhei a 450 Km de casa e nunca recebi nenhum subsídio ou ajudas de custo! Sou professora e conheço colegas que, literalmente, pagam para trabalhar! É imoral o que se passa na nossa classe política!
  • Sara
    17 abr, 2018 lisboa 13:05
    Acho que todos temos direito á informação.Sobre reembolso é matéria da AR e se é legal é uma falsa questão é mesmo uma não questão, é preciso saber quem quer estabelecer uma falsa moralidade e as razoes politicas etc.As imagens da confrontação da justiça com Sócrates vem demonstrar que o acusam sem provas reais e diretas e que foi alegadamente uma forma de o afastarem da possibilidade de concorrer á PR ,etc.Sócrates 20 valores ,justiça zero,zero,zero.As imagens mostram uma violência de interrogatório a que nunca assiti.Se as provas são as apresentadas Sócrates está INOCENTE.
  • 17 abr, 2018 12:54
    "PORNOGRAFIA JUDICIÁRIA" dizem eles. Pois é meus amigos e se por acaso fosse EU a falar e a dirigir-me daquela maneira a um Magistrado ou a um Advogado de acusação no interior de um Tribunal, o que me aconteceria? Claro que os Senhores sabem o que me acontecia, não sabem? Para um LEIGO está visto que quem é inocente não entra por aquele CAMINHO, não GAGUEJA e não diz " EU FUI ( ISTO, AQUILO e AQUELOUTRO ) muito menos é ARROGANTE. Mais uma vêz eu reclamo, sejamos SÉRIOS. Ainda bem que vimos o que VIMOS. Será que a partir de ontem aquela ATITUDE INCORRETA fará JURISPRUDÊNCIA? Espero que não.
  • lv
    17 abr, 2018 lx 12:30
    Tão pornográfico que o Saloio e seus coadjuvantes Vidalhos continuam todos infectados com um vírus raro, tal é a promuscuidade!