O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - A Índia tecnológica - 16/04/2018
O Mundo em Três Dimensões - A Índia tecnológica - 16/04/2018
O Mundo em Três Dimensões

A Índia tem smartphones a 20 dólares e tem 420 milhões de utilizadores de internet

16 abr, 2018 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Se pedir às pessoas que indiquem o centro global da tecnologia emergente, provavelmente a resposta da maioria será Silicon Valley. Contudo, as cidades hiperlotadas da Índia é que estão a impulsionar esta revolução. Em 2000 o país tinha 10 milhões de utilizadores de internet. No ano passado eram mais de 420 milhões.

Em 2017, a Índia tornou-se o segundo país do mundo com maior número de utilizadores de internet. A seguir à China.

E porquê que tudo isto está a acontecer? Analisando os números da pobreza indiana, seria difícil adivinhar este sobressalto tecnológico em curso.

Como é que um país onde mais de 200 milhões de pessoas não têm acesso à eletricidade, consegue juntar centenas de milhões de pessoas online em menos de duas décadas?

A resposta poderá estar nos preços. Atualmente, um indiano consegue comprar um smartphone básico por apenas 20 dólares.

Além disso, a maior empresa de telecomunicações da Índia lançou uma rede que oferece serviços de voz e dados 4G em todo o país.

20 mil milhões de dólares de investimento para instalar 45 mil antenas. 4G grátis e ilimitado durante os primeiros seis meses de assinatura.

A consequência disso é que, até o final do ano passado, 160 milhões de pessoas subscreveram estes serviços. E, com isso, a Índia superou os Estados Unidos em downloads de aplicações.

Uma vez, os indianos estão em segundo lugar. Uma vez mais, atrás da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    16 abr, 2018 aveiro 15:42
    Pode não haver para comer, mas um telelé não pode faltar, em conclusão o virtual mata a fome !