Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

O centro político não morreu

16 abr, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os partidos moderados não estão em vias de extinção. Veja-se Portugal e sobretudo Espanha.

O último número do semanário “The Economist” escreve que os partidos socialistas europeus estão quase todos em crise. Mas em Portugal, sublinha o “Economist”, o líder do PS e primeiro-ministro tem sondagens invejáveis. Opina o semanário: em Portugal “o governo de esquerda está a ter sucesso, em parte, porque não é especialmente de esquerda”.

Em Espanha ainda é mais nítido que a alegada morte do centro político e a fuga dos eleitores para partidos extremistas, à direita e à esquerda, não configuram uma tendência inelutável na Europa. O partido centrista Ciudadanos (Cidadãos) encontra-se agora à frente nas sondagens, destacado, não apenas na Catalunha como a nível nacional. Perde o PP, à direita, e o Podemos (de extrema-esquerda), que não ultrapassa o PSOE, social-democrata.

O Ciudadanos nasceu na Catalunha em 2006, para combater o separatismo. Contra o que às vezes se diz, a maioria da população da Catalunha não quer uma independência catalã, muito menos declarada unilateralmente. Até porque grande parte dos que vivem presentemente naquela região autónoma emigraram para ali vindos de outras regiões de Espanha. É o caso, por exemplo, da líder do Ciudadanos na Catalunha, Inés Arrimadas, que há uma década veio da sua Andaluzia natal. O sucesso regional do novo partido deve muito à coragem e à capacidade política desta advogada.

O sucesso na Catalunha lançou o Ciudadanos para a política a nível nacional. Liderado por Albert Rivera – um catalão que quer manter-se espanhol e que, tal como I. Arrimadas, é jovem (38 anos) – este partido moderado e pragmático tornou-se, nas sondagens, o primeiro partido de Espanha, ultrapassando o PP e o PSOE. O “espanholismo” do Ciudadanos suscita a simpatia de muitos eleitores de centro e de direita, fora da Catalunha. E na Catalunha o Ciudadanos reduziu a votação no PP a níveis historicamente humilhantes. Muito porque o governo de Rajoy lidou com o problema catalão como um elefante numa loja de porcelanas. Mas também porque há anos que o PP soma escândalos, sobretudo de corrupção, o que leva numerosos dos seus eleitores tradicionais a mudarem-se para os jovens do Ciudadanos.

O mais recente escândalo está em desenvolvimento e consiste em que a presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes, do PP, inscreveu no seu currículo um mestrado universitário que estará manchado por classificações falsificadas. O Ciudadanos (partido que, nas sondagens, ganharia hoje as eleições na Comunidade de Madrid) exige que Rajoy afaste e substitua Cifuentes.

A médio prazo, se Rajoy se demitir de líder do PP, este partido poderá recuperar algum do prestígio perdido. Mas tão cedo não irá ultrapassar o Ciudanos, que se situa menos à direita. O centro político não está morto e enterrado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    16 abr, 2018 Santarém 22:54
    Se bem se entende os catalães estão cada vez mais cercados pelos imigrantes espanhóis adaptados a catalães, no mínimo parece-me que neste caso catalão tal como poderá acontecer noutros locais do globo para se ter direito a voto sobre a independência de determinado país ou região deveriam ser apenas os naturais do mesmo local com direito a voto, talvez por assim não ser a Europa tenha participado no escandaloso saque do Kosovo à Sérvia.
  • João Lopes
    16 abr, 2018 Lisboa 14:21
    O partido «Ciudadanos» existe de modo a que o «PP» espanhol não acabe a dialogar sozinho. Dizer que «Ciudadanos» se situa menos à direita é não só um erro, como um grande exemplo de não conhecer a realidade política espanhola. Qual a vantagem do partido «Ciudadanos», em relação ao caso de Cristina Cifuentes? O «Ciudadanos» lançou um ultimato ao «PP» de modo a que fosse formada uma comissão, de modo a destituir Cifuentes e deixar no seu lugar para outro membro do «PP». Ao contrário dos outros partidos que querem o que é legal, ou seja uma nova eleição de um presidente para a comunidade de Madrid, o «Ciudadanos» surge apenas para que a presidente corrupta Cifuentes seja substituída por outro elemento do «PP». No caso da Catalunha, o partido «Ciudadanos» aparece como o novo partido de direita, pois o desgaste do «PP» catalão foi enorme nas duas últimas eleições. O «Ciudadanos» é uma nova versão do «PP», dando uma imagem que os seus membros são mais limpos e menos corruptos, quando na realidade têm a mesma mentalidade que os membros do «PP».