Espaço do Consumidor
Um espaço para responder a todas as dúvidas dos consumidores (terças e quintas, depois das 11h15)
A+ / A-
Arquivo
Espaço do Consumidor - Portal da Queixa - 15/03/2018
Espaço do Consumidor - Portal da Queixa - 15/03/2018
Espaço do Consumidor

De que se queixam os portugueses no Portal da Queixa

15 mar, 2018 • Fátima Casanova


Os três serviços mais reclamados foram: wap billing ou serviços da sociedade de informação, o comércio eletrónico e os débitos diretos.

Está insatisfeito com um serviço? Cobraram-lhe por algo que não quer? A fatura chegou tarde e a más horas? Neste dia Mundial dos Direitos do Consumidor apresentamos-lhe o Portal da Queixa.

É uma “startup” tecnológica lançada em 2009 e, em oito anos de existência, já recebeu mais de 170 mil reclamações, apresentadas por uma comunidade de 215 mil utilizadores registados online.

Atualmente, o Portal da Queixa é visitado por mais de meio milhão de portugueses, todos os meses, que procuram a plataforma para comunicar diretamente com outros consumidores, marcas e entidades públicas, bem como, comparar marcas com base no Índice de Satisfação disponível ao consumidor.

Este portal permite ainda apresentar uma reclamação em qualquer lugar, em apenas três passos e sem qualquer custo associado.

O Portal da Queixa não intervém na relação dos consumidores com as marcas e, por isso, não efetua a mediação entre as partes, no entanto, assim que uma reclamação é validada, é enviada uma notificação por email para a marca visada, permitindo que seja dada oportunidade de resposta e de resolução.

Os três serviços mais reclamados junto do Portal da Queixa, em 2017, foram: wap billing ou serviços da sociedade de informação, com uma subida de 635% face a 2016; o comércio eletrónico e os débitos diretos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.