Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Eficácia e falta dela

13 mar, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Os preferidos não se mostraram à altura.

Eficácia: eis a palavra que resume aquilo que de mais importante aconteceu na última jornada da nossa Liga, na qual houve surpresas em dois sentidos.

Eficazes, foram Paços de Ferreira, Benfica e Sporting, acontecendo exatamente o contrário com o Futebol Clube do Porto, que cedeu num jogo para o qual partiu possuído da maior dose de favoritismo.

É verdade: Benfica e FC Porto eram tidos à partida desta ronda como sérios candidatos à conquista de mais três pontos, tão evidente era a superioridade de ambos sobre os seus adversários e mantida ao longo, sobretudo, das últimas jornadas.

Para o Sporting adivinhavam-se dificuldades de tomo na deslocação a Trás-os-Montes: havia baixas importantes nos leões que poderiam fazer pender a balança para o lado dos flavienses, que têm vindo a confirmar um comportamento de excelência, o qual lhes permite manter o sexto lugar na tabela, uma janela de onde poderá vir a espreitar-se a Europa na temporada que se segue.

O jogo do Benfica na Luz tem menos história. Ainda assim, a equipa de Rui Vitória só aos 72 minutos descobriu o caminho da baliza contrário, e de novo com o inevitável Jonas a deixar a sua chancela nos dois golos do jogo.

Na Mata Real não houve Porto na primeira parte e pouco Porto na segunda.

Aceita-se, dado o facto de Sérgio Conceição se ter apresentado com uma equipa muito remendada por força da ausência de seis elementos habitualmente titulares.

Só que isso não justifica tudo; ter oportunidades e não as transformar, inclusive uma grande oportunidade que o guarda-redes contrário defendeu com classe, deixou à vista uma tremenda falta de eficácia que os portistas não podem repetir sob pena de perderem o estatuto de grandes candidatos à vitória no campeonato.

O desafio de Chaves confirmou uma realidade indesmentível: sem o holandês Bas Dost a equipa leonina deixa à vista insuficiências muito difíceis de anular. E foi o excelente goleador que trouxe de novo o Sporting à grande discussão do título, pese embora o facto de essa conquista se manter ainda como uma miragem.

As próximas jornadas confirmarão ou não esta asserção.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.