Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

A miopia da distância

07 mar, 2018 • Opinião de José Miguel Sardica


Paradoxalmente, quanto mais o mundo se globaliza, mais fragmentado e local ele se torna.

Dizem-nos que vivemos num mundo globalizado, em que a instantaneidade da informação nos faz sermos cidadãos interessados e ativos nas questões relevantes de qualquer ponto do globo.

O século XXI, acelerado pelas redes sociais, é pós-“qualquer coisa”: pós-moderno, pós-nacionalista, pós-europeu, pós-ocidental. E deve ser, para todas as consciências bem-pensantes e fraturantes, o tempo de grandes causas politicamente corretas, que caem sobre a espécie humana não conhecendo continentes ou fronteiras, países ou comunidades sociais específicas – salvo para os/as estigmatizar aos olhos de uma maioria do tamanho do mundo. Somos, por isso, bem capazes, ou para tal mandados, de estampar numa t-shirt “Je suis…”, para estarmos em sintonia com a humanidade, ao mesmo tempo que passamos sem parar pelo mal ou pela miséria, muito concretos, que estão à porta da nossa casa.

Contudo… parece que não é bem assim. Reagindo contra a escala abstrata da globalização, os nacionalismos estão de volta, os populismos têm agendas e alvos mais pequenos e locais, e do turbilhão de notícias que nos entra pela vida e pela casa adentro, trazido pelos media, já só nos interessamos pelo que está mais próximo de nós, pelo que nos afeta ou pode afetar, pelo que nos diz acerca do pequeno lugar geográfico e mental de cada um. Paradoxalmente, quanto mais o mundo se globaliza, mais fragmentado e local ele se torna. Chamemos a este fenómeno a miopia da distância: para o bem, nuns casos, para o mal, noutros, já não vemos, ou não queremos ver, o que nos está (e é) longe.

Considere-se o exemplo do terrorismo. Em 2017, o mundo foi assolado por c. 330 atentados terroristas, que causaram mais de 2.000 mortos. 97,5% destes atos bárbaros e 96% das suas vítimas registaram-se fora do chamado Ocidente. Neste (a Europa e a América do Norte), morreram apenas – um “apenas” relativo – 85 pessoas, no Canadá e nos EUA, em São Petersburgo, Estocolmo, Manchester, Londres e Barcelona. O cidadão europeu médio recorda com pesar algumas destas mortes. Mas quem, no lado confortável do mundo, sabe e tem a devida consciência que em maio de 2017 morreram 150 pessoas na explosão de um camião bomba em Cabul, em outubro 500 pessoas num atentado contra um hotel e um mercado em Mogadíscio, ou em novembro mais de 300 pessoas desfeitas por um suicida numa mesquita sufista do Sinai?

Hannah Arendt definiu um dia o totalitarismo nazi e o holocausto por ele perpetrado como a “banalização do mal”. É história? Ou é o presente, quando todas as noites jantamos diante do televisor que transmite imagens cinzentas dos escombros de Ghouta, o subúrbio mártir de Damasco, ou vermelhas, dos corpos ali ensanguentados? É “um inferno na terra” a que urge “pôr cobro”, disse, indignado, o Secretário Geral da ONU. Sem dúvida. Mas como será possível pôr a “ocidental” ONU de acordo para um mandato que faça intervir uma coligação internacional na Síria, destinada a liquidar a barbárie e a repor a normalidade? A II Guerra Mundial durou longos seis anos – toda a gente o sabe.

A guerra na Síria já completou sete anos (2011-18), causou 450.000 mortos e 4 milhões de refugiados, e já há quem lhe chama “a porta de entrada para a III Guerra Mundial”. Só em Ghouta, nos últimos 12 dias, morreram 600 pessoas e 2.000 ficaram feridas: são 50 óbitos diários, uma média superior (!) à dos soldados norte-americanos mortos no pior ano (1968) da guerra do Vietname. Mas quem é que quer saber – entre os que podiam fazer algo para acabar com a carnificina – de Ghouta, de Damasco, da Síria ou daquelas partes do globo onde o terrorismo domina o dia-a-dia? De que serve a globalização, se vivemos limitados pela miopia da distância?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    07 mar, 2018 Cacém 18:57
    Quem controlar a informação controla o Mundo. É a Realidade, quer se goste ou não. (1) A Igreja controlava a Informação. Foi basicamente a "internet" durante séculos. (2) O aparecimento da "imprensa escrita" é uma Revolução. O acesso à informação torna-se muito mais fácil! Torna-se "vital" saber Ler! (3) No Séc. XX, a rádio e a TV fazem a sua aparição "repentina". A informação torna-se cada vez mais acessível e fácil de obter. (4) A "Internet" aparece em força e os meios de "controle da informação" mudam. Em vez de proibir o acesso a certos canais, "inunda-se o panorama" com a mesma informação, repetida dezenas e centenas de vezes. (A Mesma Informação!). A guerra da Síria "já completou sete anos". Há 7 anos que morrem crianças na Síria. Milhares de crianças já morreram das maneiras mais horríveis. Mas só quando as áreas controladas pelas forças islâmicas radicais, ligadas ao Islão Sunita, é que se fala nisso? e porquê? No ano passado na Turquia, antes do "golpe anti-Erdoğan", o regime turco tinha lançado uma operação militar em larga escala, na Turquia contra os curdos. Esta operação militar provocou milhares de vitimas entre os curdos, tendo o próprio regime turco, se gabado de ter "anulado" ( eufemismo para "morto") milhares deles. Protestos? Onde? - apenas na Turquia. Só. "Miopia da distância"? sinceramente, gostava que fosse....mas infelizmente é mais "Ignorância da distância".
  • MASQUEGRACINHA
    07 mar, 2018 TERRADOMEIO 18:36
    Se H. Arendt pensasse e escrevesse agora, falaria provavelmente em "globalização do mal banalizado" - e certamente não lhe escaparia a nova, e sobremaneira eficiente, forma de propaganda, que banaliza cada vez mais o mal: a manipulação dos indivíduos e grupos através da manipulação da informação. Os efeitos da propaganda e da exposição contínua ao mal estão bem estudados - não foi disso, aliás, que Arendt falou? De como toda uma nação, para mais altamente civilizada, praticou ou aceitou as mais torpes bestialidades humanas? Também não escapariam a Arendt, como não lhe escaparam no passado, os interesses puramente económicos que motivaram e sustentaram, em larguíssima medida, o mal. Mas é o Sr. Sardica quem a cita, já deve saber isto tudo. Por outro lado, nós, os que ouvimos e vemos (e entre os quais tenho a certeza que o Sr. Sardica se inclui), não estamos limitados pela miopia da distância - estamos limitados pela distância mesmo, e pela mais absoluta impotência, que partilhamos, ao que parece, com a ONU e gentes que tais, portanto... seremos responsáveis, sem dúvida, mas no final de uma longuíssima lista de culpados com dolo. Por fim, o mundo torna-se mais fragmentado e local porque as pessoas podem ser impotentes, mas não são de todo estúpidas - e, mais ou menos conscientemente, tendem a defender o que lhes resta, a única coisa que percepcionam como sendo sua por direito de nascimento: o torrão natal. E continuo sem perceber o ódio de estimação ao politicamente correcto...