Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Utentes dos ginásios e seus direitos - 3/03/2018
Em Nome da Lei - Utentes dos ginásios e seus direitos - 3/03/2018
Em Nome da Lei

Utentes dos ginásios e seus direitos

03 mar, 2018


Quais os direitos dos utentes dos ginásios e "health clubs" e qual o enquadramento legal que estes estabelecimentos devem seguir é o tema do debate deste sábado, para o qual são convidados Alexandre Mestre, ex-secretário de Estado do Desporto, advogado, Carolina Gomes, da Deco, Pedro Lourenço do Portal da Queixa e João Lázaro, presidente da Associação de Empresas de Ginásios e Academias de Portugal.

Para frequentar um ginásio, será necessário um atestado médico? Os contratos de fidelização, que vários estabelecimentos exigem, são legais? E nas piscinas, a legislação permite que não haja nadador salvador?~

São algumas das perguntas a que tentamos dar resposta, nma edição dedicada às exigências que a lei faz aos ginásios e "health clubs" e os direitos dos seus utentes.

São convidados desta edição do Em Nome da Lei, Alexandre Mestre, ex-secretário de Estado do Desporto, advogado, que acaba de publicar um livro sobre Direito do Fitness; Carolina Gomes, da Deco; Pedro Lourenço do Portal da Queixa e João Lázaro, presidente da Associação de Empresas de Ginásios e Academias de Portugal.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • No país da diversão
    03 mar, 2018 Lisboa 19:01
    Quando eu esperava que falassem em algo importante para as pessoas, falam nos direitos de quem tem pouco que fazer e dinheiro para gastar. Já outros disseram que existe uma inversão de prioridades. Neste país temos direito a tudo o que tem pouca importância, mas não temos direito ao essencial. O que interessa é iludir as pessoas. Não seria melhor preocuparem-se com os mais fracos!