O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Fazer o máximo possível

27 fev, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


É verdade que na limpeza das matas se pretende fazer em meses o que não se fez durante décadas. Mas não se deve aliviar a pressão.

O presidente da Associação Nacional de Municípios, Manuel Machado, disse à Renascença que há muito trabalho a fazer na limpeza das matas, mas faltam meios – desde mão-de-obra a maquinaria capaz de ser utilizada nesta intervenção acelerada.

Marta Soares, presidente da Liga de Bombeiros, foi rápido a responder negativamente. Os bombeiros, afirmou ele, não têm vocação, meios ou tempo para ajudar as câmaras a limpar as matas – é que neste mês de fevereiro, revelou Marta Soares, há cerca de 280 incêndios por dia!

Perante a dupla tragédia dos incêndios florestais do ano passado a limpeza das matas tornou-se uma prioridade. As leis sobre essa limpeza existem há mais de dez anos, só que eram calmamente ignoradas por toda a gente, proprietários, autarquias, governo central, etc. Agora quer fazer-se em escassos meses o que não se fez durante décadas. Nada de estranhar, em Portugal.

As dificuldades de cumprir os prazos fixados são óbvias. Além da falta de pessoal especializado e de máquinas, basta pensar nos proprietários que não habitam habitualmente nos terrenos em causa e nos terrenos cujo proprietário é desconhecido.

Os autarcas receiam, com alguma razão, que venham a ser os “bodes expiatórios” de uma inevitável incapacidade para limpar tudo o que deveria ser limpo.

Mas julgo que o ministro da Administração Interna não deve dar mostras de qualquer recuo. É que, se Eduardo Cabrita transmitisse agora qualquer sinal de menor urgência na limpeza das matas, logo muita coisa iria parar, invocando os mais variados motivos.

Creio que o ministro está consciente de que a tarefa não ficará completada este ano – mas é imperativo que se faça o máximo possível, porque estão em causa vidas humanas e graves desastres materiais. Por isso seria um erro avançar com uma possibilidade de desculpa para fazer muito menos do que o possível.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.