O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Congresso CDS

Moção de Cristas: “o voto útil acabou"

24 fev, 2018 • Susana Madureira Martins


A líder centrista leva ao congresso de Lamego de 10 e 11 de Março a moção “CDS – Um passo à frente” e avisa PSD que nas legislativas e europeias segue em listas próprias.

Mais quatro mil militantes inscritos em dois anos, “liderança no combate ao governo das esquerdas unidas” e “sucesso nas eleições regionais e autárquicas”. É o balanço que Assunção Cristas faz na moção de dezasseis páginas que leva ao Congresso de Março, em Lamego, para concluir que “o voto útil acabou, que o voto de cada um é cada vez mais livre”, lê-se no texto da líder centrista, a que a Renascença teve acesso.

As eleições legislativas, europeias e as regionais da Madeira são já em 2019 e para Assunção Cristas “não há nada intransponível” e que é possível ser-se avaliado “mais pelo trabalho” e pelas “provas dadas” e “menos pelas amarras das cores de uma sigla partidária”. A líder centrista quer mobilizar o partido para que cada um passe a mensagem de que “o mais reformista, irreverente, novo, é votar no CDS”.

E aqui fica o recado ao PSD de Rui Rio: em 2019 ganha quem conseguir reunir um apoio parlamentar de 116 deputados e Assunção deixa implícito que, o mais certo é o novo líder social-democrata precisar do CDS e sendo assim o partido tudo fará “para dar uma sólida contribuição para que o centro direita possa atingir esse número e, após as eleições, entender-se para o conseguir”.

Na moção lê-se mesmo que o CDS quer ser a “primeira escolha dos portugueses”, com Cristas a não ver razão para mudar a estratégia e a seguir em frente para as legislativas e europeias de 2019 “em listas próprias”, na convicção de que assim estará a dar o “melhor contributo para Portugal ter uma alternativa às esquerdas unidas”.

À Renascença, Assunção Cristas diz que o CDS consegue “representar melhor esta alternativa com uma voz separada e que o PSD possa também ter a sua voz”. A líder centrista diz que “há um alinhamento de prioridades” entre os dois partidos em temas que vão da natalidade, ao envelhecimento ativo e proteção aos idosos, segurança social e saúde.

Para a dirigente centrista isso “é bom, porque são dois partidos e duas vozes” e, por outro lado, também “é bom” porque não têm exatamente o mesmo ponto de vista sobre o financiamento dos partidos, ou seja, ajuda os portugueses a escolherem “entre aqueles que melhor representam a sua visão” e assim maximizam-se os resultados, como já aconteceu no recente período de governação em que “o PSD e CDS entenderam-se”.

Uma direita sem preconceitos e sem rótulos

O CDS não quer ser o partido “dos ricos”, “dos patrões” ou “dos quadros”. Na moção Assunção Cristas diz mesmo que o partido já não é visto dessa maneira, esses são “rótulos que foram sendo colados injustamente” aos centristas. No texto lê-se que é “preciso deixar que, de forma mais livre, sem preconceitos e sem pré-entendimentos se possa olhar o CDS” pelas suas propostas e protagonistas.

Nas declarações à Renascença, Cristas fala de um “partido muito mais aberto” com o objetivo de “desmontar essas ideias feitas, preconceitos muitas vezes injustos” de que o CDS é “muito à direita” e em que as pessoas dizem gostar das ideias e das pessoas do partido mas “sociologicamente sentem que não se enquadram”.

A todos esses a líder centrista diz que o “caminho é difícil” mas que é possível “chegar lá”, ou seja, chegar de novo à governação e à maioria parlamentar. Tudo isto com uma nova abordagem de comunicação; para além das redes sociais, a moção fala de “lançar, de forma progressiva, a CDSTV”, convidando todos para que lhe “enviem uma carta, um email, uma mensagem no Facebook” a partilhar as preocupações, ideias e prioridades para o país.

O Congresso do CDS irá decorrer nos dias 10 e 11 de março, em Lamego, no distrito de Vila Real.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • esta
    26 fev, 2018 lx 19:56
    Não pára de dançar o vira!...ridicula!
  • Joel
    25 fev, 2018 Pinhal 20:25
    Assunção bem podes ficar contente.. com um rio à deriva para a esquerda só posso votar em ti.
  • 24 fev, 2018 aldeia 23:03
    Vamos esperar para ver se o TAXI aumentou ou diminuiu de passageiros!........
  • João Lopes
    24 fev, 2018 Viseu 15:24
    Diz o ditado, vale mais só do que mal acompanhado! O CDS faz bem a ir a votos sozinho. Com Rui Rio e os seus apoiantes o PSD deixou de ser um partido recomendável. Além disso sendo Rui Rio um defensor da eutanásia e do aborto, não é fiável!
  • Cacarejos inuteis
    24 fev, 2018 Lisboa 10:14
    Coitados dos ricos, dos patrões, dos esclavagistas modernos, dos fascistas, dos fascistas travestidos de democratas e de outra tanta fauna pouco recomendável que vão ficar sem partido. O PSD vai virar de tal maneira à esquerda que corre-se o risco de ultrapassar o BE. O CDS segundo a Cristas vai querer ultrapassar o PSD pelo que se corre o risco de ver o BE à direita do PSD e do CDS. O que vale é que os devaneios da moçoila não passam de cacarejos inconsequentes. Coitada da pequena que com a defasçatez que a caracteriza tenta mais uma vez passar um atestado de estupidez ao Povo Português.