O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

Jornalismo, sim, mas só se tiver juizinho...

19 fev, 2018 • Opinião de Luís António Santos


A Liberdade de Imprensa não é opcional num regime que vive de equilíbrios sensíveis como o nosso e a sua defesa intransigente cabe a todos.

Dois episódios muito recentes deram-nos a ver, com enorme clareza, a fragilidade do exercício do Jornalismo em Portugal e a forma como atores com responsabilidade pública o entendem.

O episódio 1 aconteceu na sexta-feira, no congresso do PSD. Uma equipa de assessoria demasiado zelosa e um grupo de seguranças privados às suas ordens quase conseguiram impedir os fotojornalistas de fazer ‘a foto da noite’ (o cumprimento de passagem de testemunho entre Passos Coelho e Rui Rio). E porquê? Ninguém sabe. Só porque sim, imagina-se. Só porque quem organiza este tipo de eventos há muito se habitou em Portugal a organizar também o tempo, o lugar e o modo de atuação dos jornalistas. Este impedimento ao exercício da Liberdade de Imprensa, de tão vulgarizado que está (mais ainda do que as violações do segredo de Justiça), já quase se normalizou e contou durante muitos anos com um silêncio cúmplice da própria profissão. Mas trata-se de um crime e parece assentar num pressuposto grave - o de que o Jornalismo não é nem pode ser muito mais do que o espaço de informação benigna sobre pessoas e/ou organizações.

O episódio 2 aconteceu durante a Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal. Ali foi dito, de forma clara e direta, pelo presidente do clube, que os sócios devem deixar de ler jornais e deixar de ver televisão, a menos que essa televisão se chame ‘Sporting TV’. Neste caso não estamos na presença de um crime mas estamos, isso sim, perante uma visão muito semelhante sobre o que é o Jornalismo, o que faz, para quem e em nome do quê. Percebe-se, também aqui, que há um total desrespeito pela ideia de que as democracias só fazem sentido num clima permanente de vigilância de poderes, de censura de comportamentos e de abertura à dissensão e de que, na maior parte delas, é através do Jornalismo que essas imagens e vozes alternativas se projetam.

O apetite de quem tem poder pelo controle dos média não é nenhuma novidade. Mas o que é novo - e se torna mais banal a cada dia que passa - é um posicionamento despudorado de alguns dirigentes (políticos ou outros) que parecem ter descoberto as vantagens de viver num universo sem limites, sem regras nem fronteiras (sem muros, para usar uma expressão tão querida ao exemplo mais significativo desta estirpe).

A Liberdade de Imprensa não é opcional num regime que vive de equilíbrios sensíveis como o nosso e a sua defesa intransigente cabe a todos. Todos os dias. Porque pouco mais nos separa das neblinas densas da Propaganda e da Demagogia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    19 fev, 2018 TERRADOMEIO 17:09
    Compreende-se a indignação, quase susto, do articulista - no estado em que as coisas já estão, um boicote aos jornais em papel, que é o que os (muitos) doentes da bola ainda vão comprando e lendo, é de facto assustador. Mas, e até na senda do que costuma escrever, convém não esquecer que só é respeitado o que é respeitável, ou que, pelo menos, se dê ao respeito. O que não é nada o caso de muito jornalismo, mesmo daquele dito "de referência". E não é, de certeza, o caso do jornalismo desportivo. Não sei porque é chamada à baila a "questão democrática", uma vez que essa costuma ser garantida pela justa representatividade dos três maiores berradores no berreiro futebolístico a que chamam comentário televisivo; e pela justa representatividade de um pasquim por clube, dos três que interessam, nisso a que chamam jornais desportivos. Depois, e sempre democraticamente a três, há o jornalismo privado, de claque (todos os que podem têm, mais democrático não pode ser), e há o jornalismo em geral, também dito de anunciante - e aí cada um tem a opinião que lhe apetece, pelos motivos que bem entenda. Tudo super-democrático, portanto. Onde está a novidade, pelo menos tão grave que leve a comunicação social a unir-se e levantar barricadas para deter os hunos? Paradigmático da triste condição e cegueira a que chegou o jornalismo, é a maneira já normalizada como se equivalem eventos na política e no futebol, essas coisas sociais que exigem idêntica "seriedade democrática" na sua cobertura.
  • No país da diversão
    19 fev, 2018 Lisboa 09:22
    Mas existe alguma Liberdade de Imprensa neste país! Não existe, mas a culpa não é dos partidos nem do futebol, é da própria imprensa. Temos um mau jornalismo, o jornalismo da diversão e da manipulação, mas alguns não querem ver! Quando não se transmite futebol é mesmo uma grande perda! O que seria de nós sem futebol!