Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Sem cedências

12 fev, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Aconteceu que águias e dragões se desembaraçaram sem problemas de maior dos opositores que lhes couberam em sorte, enquanto dos leões já nãos se pode expressar opinião semelhante.

A jornada não era fácil para dois dos clubes da dianteira, Futebol Clube do Porto e Sport Lisboa e Benfica, mas acabou por também o Sporting Clube de Portugal alinhar nessas dificuldades.

Afinal, aconteceu que águias e dragões se desembaraçaram sem problemas de maior dos opositores que lhes couberam em sorte, enquanto dos leões já nãos se pode expressar opinião semelhante.

É verdade que em Alvalade o Sporting dominou amplamente o jogo, mas foram necessários 78 minutos para o capitão William Carvalho encontrasse o caminho de uma baliza onde chegou muitas vezes, mas sem ter sido capaz de revelar capacidade concretizadora.

Poder-se-à dizer, e sem margem de erro, que a equipa de Jorge Jesus poderia ter chegado à goleada mas, em boa verdade, só depois dos noventa minutos conseguiu respirar totalmente de alívio quando Montero fez subir o marcador para 2-0.

Este jogo fica também marcado por uma deplorável arbitragem, e com o VAR também em actuação desastrada, que bem poderiam ter causado danos profundos à equipa de Alvalade.

Na véspera, no barlavento algarvio, o Benfica encarou o jogo com arreganho, tendo entrado a disparar sobre o meio campo da equipa do Portimonense. E essa atitude permitiu-lhe, inclusive, abrir cedo o caminho da vitória.

E, mesmo quando o adversário cresceu, os comandados de Rui Vitória foram capazes de manter a serenidade para assim poderem de novo assumirem o comando e, mercê disso, marcarem mais dois golos com que selaram um triunfo indiscutível.

Antes, a meio da tarde, o FCPorto nem deu tempo para que se colocasse em causa sua supremacia sobre os transmontanos de Chaves numa evidente manifestação de força que logo aos 14 minutos de traduziu num belo golo de Soares.

E, a partir daí, os dragões constituíram um bloco ainda mais homogéneo, que viria a confirmar-se com a obtenção de mais três, e obrigar à submissão o Desportivo de Chaves, que não perdia em casa desde o passado mês de Agosto.

Um triunfo claro dos portistas e uma manifestação de força a deixar também um sério aviso à concorrência mais directa.

Finalmente, e porque é de toda a justiça, um renovado aceno para o Sporting de Braga também vencedor nesta jornada, mantendo o trio da vanguarda a pouca distância, e a confirmar que está ali bem vivo para tentar um dos seus melhores campeonatos de sempre.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Legionário
    12 fev, 2018 lisboa 12:05
    Pois não Sr. Ribeitro Cristovão, às águias e dragões estenderam-lhes os respectivos tapetes, já aos leões são só armadilhas...o árbitro e sobretudo o VAR não queriam que o SCP ganha-se o jogo de ontem, com uma arbitragem isenta o SCP estaria a ganhar logo a partir dos 20m e o jogo teria sido completamente diferente!!