O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Nunes Martins
A+ / A-

Os espinhos à volta do bem

26 jan, 2018 • Opinião de José Luís Nunes Martins


Ser capaz de arrancar a alguém um espinho que traz espetado no corpo, ao qual possa até já ter-se resignado, é algo de libertador, quase divino.

Todos temos espinhos cravados na carne que ninguém conhece e poucos imaginam. E são esses espinhos, os invisíveis, aqueles que doem mais fundo. Eles revelam a nossa enorme fragilidade, mas também a nossa força para seguir adiante, apesar de a sua presença nos doer em cada dia, a cada passo. Por vezes, estes ferrões escondidos, tornam-nos mais difíceis, intolerantes e duros para com os outros…

Ser capaz de arrancar a alguém um espinho que traz espetado no corpo, ao qual possa até já ter-se resignado, é algo de libertador, quase divino. É grande a luz de quem compreende que, para lá dos seus espinhos, há muitos outros, maiores e mais afiados, cravados noutras pessoas, talvez mais fracas e inocentes.

É certo que os espinhos fazem parte da vida. São mentira todos os sonhos com que nos iludimos ao ponto de imaginarmos que, chegando a um determinado ponto neste mundo, os espinhos deixarão de existir.

Os espinhos da vida podem servir para nos lembrarmos de quanto são valiosas as coisas boas. A vida é ampla e muito rica em bondade e maldades.

Por cada um de nós que conquista algo de sublime, haverá muitas pessoas boas que ficaram pelo caminho. Não por serem más, mas porque ao céu se chega por caminhos duros.

Haverá sempre espaço entre os espinhos. Quem quer crescer aí, mais tarde ou mais cedo tem de passar por eles, para ir florir mais além.

Os espinhos são passageiros, ainda que o seu tormento dure uma vida inteira.

Quase todos queremos alcançar o céu, mas quantos de nós estarão dispostos a ir por onde se deve ir para lá chegar?

O amor, a verdade e a vida estão envoltos em espinhos, que coroam as vidas de quem se dá.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    26 jan, 2018 TERRADOMEIO 16:23
    Bem ilustraria este artigo uma reprodução da espantosa (por bela e emocionante) pintura do "Senhor dos Espinhos", da Catedral de Albi. Misturados com rosas florescentes, de cor magnífica, lá estão os acerados e negros espinhos, todos rodeando o homem que jaz morto, este de uma naturalidade quase assustadora... Do mais impressionante, também pelo simbolismo, que já vi.