O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Nunes Martins
A+ / A-

​Por quem os sinos choram?

19 jan, 2018 • Opinião de José Luís Nunes Martins


E sempre que os sinos choram, choram e chamam por nós, chamam bem alto por mim e por ti… Para que nos lembremos de viver antes que outros sinos nos chorem.

Os sinos choram pelos que souberam viver e pelos que desperdiçaram a vida a pensar que não morreriam.

Choram pelos que acreditaram na vida eterna e pelos que acreditaram que a vida é só um momento.

Os sinos choram pelos que tiveram, e foram, uma família e por todos os que passaram a vida à procura de ter uma, onde pudessem ser.

Choram pelos que, desde o berço ao túmulo, sempre se levantaram e pelos que se arrastaram pelas horas dos seus dias e das suas noites.

Os sinos choram no outono e na primavera, quando as folhas caem e quando as flores se abrem à luz.

Choram por aqueles de quem sentiremos saudade e por aqueles que não deixaram marcas no coração de ninguém.

Os sinos choram e chamam-nos. Fazem estremecer os nossos silêncios e apontam-nos para a verdade.

Choram pelos que amaram e pelos que nunca foram amados. Pelos que triunfaram e pelos que foram esmagados.

Os sinos choram nas brisas suaves que trazem farrapos de memória dos que foram para longe, mas ficaram no fundo de nós.

Choram a todas as horas porque qualquer tempo é tempo de chegar… e de partir.

Os sinos choram sempre que alguém perde ou ganha a sua vida.

Choram…

E sempre que os sinos choram, choram e chamam por nós, chamam bem alto por mim e por ti… Para que nos lembremos de viver antes que outros sinos nos chorem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    22 jan, 2018 Cacém 21:06
    "Hemingway na sua obra", sobre a terrível guerra civil que devastou o nosso país vizinho, no século passado. O dobrar dos sinos, que dobram por nós. A guerra civil espanhola foi um pronúncio do enorme desastre que se seguiu. A tragédia da II Grande Guerra que a seguir devastou a Europa. Na sequência desta tentou-se criar um conjunto de acordos entre as nações, que impedisse outro desastre.....mas hoje, apenas a destruição global tem impedido um conflito mundial. Quanto aos sinos, pobres sinos.....cada vez são menos...e um silêncio atroz, cobarde e egoísta invade tudo.
  • MASQUEGRACINHA
    22 jan, 2018 TERRADOMEIO 16:40
    Poético. Mas, enfim, sinos que choram por toda a gente, acabam por não chorar por ninguém, não é? São apenas ruído de fundo.