O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Benfica na Champions League - 07/12/2017
O Mundo em Três Dimensões - Benfica na Champions League - 07/12/2017
O Mundo em Três Dimensões

A Lei de Murphy e o Benfica europeu

07 dez, 2017 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Jogo é jogo. Números são números. Não há como lhes dar a volta.

Seis jogos, seis derrotas. Um golo marcado, 14 sofridos, dois deles autogolos de guarda-redes. Zero pontos. Se quiser pensar segundo a Lei de Murphy, tudo o que podia ter corrido mal ao Benfica nesta edição da Liga dos Campeões correu mesmo muito mal.

O campeão português teve o pior rendimento de um cabeça de série na liga milionária. E também o pior desempenho de uma equipa portuguesa nas competições europeias.

O site zerozero.pt – que agrega um vasto conjunto de estatísticas sobre futebol – indica que o máximo que aconteceu foram várias prestações com apenas um ponto ao fim de quatro jogos.

Ora bem, terminada a participação encarnada na edição deste da Champions, o Benfica é já uma das 19 equipas da história da prova a terminar com zero.

Aliás, "Zero vírgula Zero" foi o título de primeira página do jornal “O Jogo”. Dos três desportivos portugueses, foi o que dedicou mais espaço em capa para o desastre encarnado. Foto e título mereceram uma caixa de 20 centímetros de comprimento por 17,5 de largura.

Por contraste, “A Bola” fala de “Vexame” num destaque de 15 por 4 e, finalmente, o “Record” com "Mais do Mesmo": 13 centímetros de largura por nove de comprimento.

Jogo é jogo. Números são números. Não há como lhes dar a volta. Só há que fazer melhor da próxima vez.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • nestes jornais
    07 dez, 2017 lis 10:19
    O que vale mais são as dimensões do espaço que utilizam na primeira pagina!...com isto reduzem a análise substantiva das questões! É por isto que não contribuo para comprar este papel colorido!