O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Manuel Pinto
A+ / A-

​Jornalistas preocupados com a sua profissão

05 dez, 2017 • Opinião de Manuel Pinto


Foram dias de denúncia e análise da descaraterização e esvaziamento de tantas redacções, da emergência do ‘precariado’, das derivas ético-deontológicas, da crise de credibilidade e dos despedimentos colectivos.

Costuma dizer-se que é mau sinal quando os jornalistas, em vez de darem notícias, se tornam eles próprios motivo de notícia. Mas há circunstâncias em que isso se torna bom sinal. Foi o caso da realização do congresso deste grupo profissional, no início de 2017, que a actual direcção do Sindicato conseguiu realizar, quase duas décadas depois da edição anterior.

Foram dias de denúncia e análise da descaraterização e esvaziamento de tantas redacções, da emergência do ‘precariado’, das derivas ético-deontológicas, da crise de credibilidade e dos despedimentos colectivos. Mas foi sobretudo marcante o facto de os profissionais terem-se encontrado e escutado e aprovado uma série de compromissos que, quase um ano passado, parecem começar a dar frutos.

Neste último fim-de-semana prolongado, outro sinal começou a ganhar vida: perto de meia centena de profissionais e docentes de jornalismo estiveram a frequentar, em Lisboa, um encontro de formação sobre literacia mediática, o qual visa dar cumprimento a um dos compromissos, então assumido: propor ao Ministério da Educação a introdução dessa matéria na educação dos adolescentes. Um projecto foi elaborado pelo Sindicato, aprovado pelo ministro e apoiado pelo presidente da República. Sete escola-piloto avançarão com o projecto. A formação que agora decorreu destinou-se a preparar uma bolsa de jornalistas capazes de apoiar a preparação de professores, para que no próximo ano lectivo todos os agrupamentos de escolas sejam envolvidos. No próximo fim de semana iniciativa idêntica terá lugar para outros tantos profissionais da região Norte e Centro do país.

Tendo participado nesta dinâmica, aquilo que mais apreciei foi ver uma grande adesão de jornalistas a esta iniciativa - a ponto de sacrificarem dias de descanso ou de folga - e, de não menos significado, a disponibilidade e interesse em reflectir sobre a sua relação com os leitores, ouvintes e espectadores.

Estes jornalistas estão preocupados com a sua profissão e com o papel do jornalismo na sociedade. Em tempo de redes sociais e de "fake news", em que parece que tudo se equivale – a notícia e a opinião, o mexerico e o trabalho sério, a notícia falsa e a notícia ‘patrocinada’ – é salutar que esta preocupação seja partilhada e aprofundada com os professores (e, posteriormente, com os alunos). Mostra, além do mais, que há muitos jornalistas que ainda acreditam no jornalismo pautado pelos valores corporizados no seu código deontológico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JP
    06 dez, 2017 Olhão 03:26
    Para acabar com a crise do jornalismo em Portugal passa por separar o trigo do joio ou seja passa por publicar a lista dos jornalistas pagos pela folha de pagamentos do dr salgado. No correio da manhã houve alguém que publicou as fotos de gente comprometida com os donos disto tudo e alguns são jornalistas mas os verdadeiros jornalistas o que fizeram, ignoraram a publicação. As falsas noticias e as encomendadas não são só na net também existem em órgãos de informação diárias e não diárias. Este fenómeno é evidente no jornalismo político como no desportivo. A coisa hoje é feita de tal forma descarada que quem estiver atento percebe que estão a ser enganados. Eu por exemplo vejo ARTV os debates e não só e depois vejo a imprensa falada e escrita e às vezes fico a pensar como é possível descer tão baixo. Como é possível um chefe de redacção deixar disser esta barbaridade. Mas se alguém protesta e com razão lá vem a frase. SÃO CRITÉRIOS JORNALÍSTICOS.
  • António de Oliveira
    05 dez, 2017 Paço de Arcos 17:04
    Tudo que se publica do Professor Manuel Pinto está certo, mas há necessidade de provocar mudanças em dois âmbitos. Por um lado dinamizar o ensino das Ciências da Comunicação junto dos cidadãos, a todos os níveis, desde alunos de Ensino Secundário a estudantes do Ensino Superior para se compreender que “Os media desempenham uma relevante e insubstituível função social da garantia do direito à informação dos cidadãos, fundamental na vitalidade dos regimes democráticos”. Por outro lado é muito importante atuar no mundo jornalístico para se conseguir a preferência pelos órgãos de comunicação social na procura da verdade que, só ilusoriamente, se encontra nas redes sociais, facebook, google e muitos outros meios dinamizados pelos atuais algoritmos. Daqui a sugestão para que seja criada a Ordem dos Jornalistas Portugueses.