Opinião de Graça Franco
A+ / A-
Opinião de Graça Franco

​Boas e más notícias do crescimento do PIB

31 ago, 2018 • Opinião de Graça Franco


Os dados são bons, mas o diabo vem depois nos detalhes e alimenta as reservas dos mais prudentes.

Primeiro as boas noticias: o INE confirmou, esta sexta-feira, que a economia portuguesa cresceu no segundo trimestre 2,3 por cento confirmando a sua anterior previsão. Uma décima acima da média europeia, tornando o nosso nível de vida ligeiramente mais próximo dos nossos parceiros.

Agora as más: o motor de crescimento continua a residir no consumo privado sobretudo puxado pela compra de automóveis dos residentes e o aumento dos gastos dos turistas; o investimento abranda e ainda fica abaixo do registado no segundo trimestre de 2011; as exportações aceleram, mas as importações também e o saldo externo volta a deteriorar-se; o emprego cresce, mas agora cada vez menos.

Os dados revelados pelo INE permitem quase todas as leituras das mais às menos otimistas, mas, embora a passo de tartaruga, uma coisa é certa: há 17 trimestres (51 meses) que a economia não para de crescer “num quadro de maior equilíbrio interno e externo e de consolidação orçamental” (Centeno dixit).

Os otimistas acentuarão - e bem -, o efeito do copo meio cheio. É o caso do comunicado do Ministério das Finanças ao sublinhar “ a forte dinâmica do investimento (6,4 em termos homólogos), com especial destaque para o aumento de 10,2 por cento do investimento em outras máquinas e equipamentos e o crescimento das exportações de bens e serviços que também acelera para 6,8 por cento” mantendo-se “ uma forte dinâmica na criação de emprego ( aumento de 2,1 por cento do emprego total e de 2,9 por cento do emprego remunerado, corrigido da sazonalidade) e na redução do desemprego ( queda de 2,1 pontos percentuais, menos 110 mil desempregados)”.

O diabo vem depois nos detalhes e alimenta as reservas dos mais prudentes: o investimento cresce 6,4, mas isso é menos do que crescia no primeiro trimestre e muito menos do que estava a crescer no inicio do ano passado (7,4 por cento e 10,1 por cento nos dois primeiros trimestres de 2017). É verdade que a formação bruta de capital fixo está a crescer ainda acima do que a última previsão governamental para a totalidade do ano (6,2 por cento previstos em abril), mas o seu contributo enquanto motor para o crescimento é ainda limitado.

Em termos absolutos o volume de investimento está, por outro lado, ainda em valores muito baixos de pouco mais de 8,3 mil milhões o que significa que está ainda aquém dos 8,5 registados no segundo trimestre de 2011 ou seja dos valores investidos no arranque da Troika e muitíssimo abaixo dos 10,2 mil milhões do segundo trimestre de 2008 (pré-crise).

Note-se ainda que, embora as exportações cresçam a bom ritmo de 6,8 por cento (4,7 no primeiro trimestre) o ritmo de há um ano (8,1 por cento) está longe de sequer ser mantido enquanto as importações crescem agora ainda mais e acima das exportações (7,9 por cento). Claro que a subida das importações era esperada, bastando para isso o efeito de retoma, respondendo ao apelo do crescimento do consumo pela via dos bens não duradouros sobretudo os automóveis, a maioria deles importados. Mas esta permanece, contudo, como uma das maiores fragilidades da economia portuguesa.

As importações de bens, que cresciam 6,5 por cento no primeiro trimestre deste ano, crescem no segundo a 8,4 por cento em nítida aceleração. O efeito é simples de antecipar: uma nova deterioração do saldo externo com contributo negativo da procura externa liquida para a criação da riqueza nacional como um todo. A questão que se coloca é a de saber se, para ritmos superiores e desejáveis de crescimento interno, a deterioração do saldo externo não continuará a aparecer como uma fatalidade provando que, depois do tratamento da troika, uma das maiores fraquezas da nossa economia não continua tão presente como antes da crise.

Quanto ao consumo volta a acelerar para um crescimento de 2,6 sendo ainda mais acentuado (3,4 por cento) quando olhamos para o consumo dos turistas. Este é, naturalmente, um sinal positivo. Apesar disso, o Governo tem razão quando salienta que o crescimento conseguido é feito agora num quadro de muito maior equilíbrio macroeconómico e de consolidação orçamental.

A melhoria das expectativas e o reforço da confiança na economia (que animam o consumo e se refletem também no aumento da construção cujo crescimento passou de 3 para 3,6 % no segundo trimestre) não são alheios ao facto de o desemprego continuar em redução acentuada, atingindo o valor mais baixo dos últimos 16 anos. Este efeito de queda do desemprego é acompanhado pela contínua criação de emprego que volta a crescer, 2,9 por cento face ao mesmo trimestre de 2017, mas desacelera face aos 3,3 por cento a que crescia no início do ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Magno
    11 set, 2018 lisboa 17:18
    O Pais está a viver um dos mais problemáticos períodos da sua vida.O crescimento obtido não lhe permite distribuir dinheiro a torto e direito sabendo-se de antemão que a economia vai desacelerar pela forte queda dos emergentes e da politica de defesa dos interesses de defesa nacional dos EUA.Logo continuação de politica de contenção é imperativa e impões-se. O contrário é lançar o Pais em provável e profunda bancarrota ,seria a quarta do PS.As revindicações dos diferentes setores serão legitimas mas impossíveis de conceder.
  • Emidio
    10 set, 2018 lisboa 18:21
    Na realidade era bom crescer-se de forma polivalente com forte crescimento dos bens que enriquecem com DINHEIRO NOVO o País.É verdade que questões de natureza ideológica impedem a entrada de grandes investidores internacionais e crescimento dos nacionais alavancando o PIB .Esta forma de estar arrastará indefnidamnente o Pais na ponta da cauda da europa . Sábios realistas precisam-se agora e durante gerações.
  • Valha-nos a Santa
    01 set, 2018 Lisboa 07:56
    Bom, mas mesmo bom, era no tempo de "ir para além da troika". Não era? Pois claro. Eram só santinhos e anjinhos e pactos amigáveis com o diabo. A que um escriba mercenário está obrigado.