O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Opinião de José Luís Nunes Martins
A+ / A-

Nem partir nem chegar. Viver é mudar

15 set, 2017 • Opinião de José Luís Nunes Martins


Não fomos feitos para ficar num mesmo tempo. E o espaço só é bom se for isso mesmo: espaço. Não um confinamento, mas um horizonte sem fim.

A cada manhã é preciso partir para um novo dia. Um percurso novo que nos levará um pouco mais além, adormecendo à noite com o sentido de termos cumprido algo de bom, apesar de tudo. Mas a vida não seria boa se fosse feita apenas de partidas sucessivas.

Devemos sonhar e lutar por cumprir os nossos anseios, sem desesperos nem ansiedades. Persistentes e pacientes. Por vezes, mesmo sem fundamento aparente, de tal forma a aventura da nossa vida parece estranha à lógica.

A verdade é que a condição humana nos impede de chegar e parar. De ficar ali, sem sonhar com o amanhã que é sempre, sempre, um novo tempo e um novo espaço. Não é uma fuga, é um desafio!

Não fomos feitos para ficar num mesmo tempo. E o espaço só é bom se for isso mesmo: espaço. Não um confinamento, mas um horizonte sem fim.

Crescemos a cada dia e gostamos de chegar, de cumprir etapas, de estar em tempos novos e em novos lugares. Descansar num novo pedaço do mundo que é nosso, mas não conhecíamos. Não devemos tentar prolongar o chegar. Importa assumir a nossa existência como ela é: uma viagem.

Não. Não se trata de viajar de terra em terra, mas de tempo em tempo, de momento em momento, reconhecendo que nós e os outros mudamos a cada dia, quer queiramos quer não.

Não sou feito para viver sem amanhã. A esperança é uma parte de mim, tão essencial quanto o meu corpo. Por vezes, a vida dá-nos num só instante o que nos recusou durante anos, por vezes dá-nos tanto que transborda... e a nossa felicidade inunda outros e a alegria espalha-se como uma luz.

Sou livre, num mundo onde dependemos mais uns dos outros do que julgamos. Somos todos livres, embora alguns não queiram ir além de partir e chegar.

O que faz de mim quem sou é a liberdade e o ar por onde posso e devo voar a cada hora. Todos os dias desta vida, que só é mesmo minha se eu escolher ser livre.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CF
    16 set, 2017 Beja 11:30
    Existem os que fazem e os que só declaram, os que pensam e os que só imaginam, os que entendem e os que só transmitem. Todos viajantes de um caminho.