O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Espaço do Consumidor
Um espaço para responder a todas as dúvidas dos consumidores (terças e quintas, depois das 11h15)
A+ / A-
Arquivo
Espaço do Consumidor - Comprar carros usados - 05/06/2018
Espaço do Consumidor - Comprar carros usados - 05/06/2018
Espaço do Consumidor

Vai comprar um carro usado? Tome nota destas dicas

05 jun, 2018 • Fátima Casanova


Entre vendas particulares e stands, há milhões de viaturas que todos os anos mudam de proprietário.

Muitas pessoas optam por comprar carros em segunda mão, já que são bastante mais baratos do que os veículos novos. Mas há riscos inerentes. Saiba o que fazer para os evitar.

1. Faça uma lista dos carros que lhe interessam. Enumere as suas prioridades tendo em conta as suas necessidades: precisa de um carro apenas para andar na cidade ou com uma vertente familiar, com bagageira? Deve ainda considerar mais do que uma marca;

2. Defina um orçamento. O orçamento condiciona o tipo de viatura a adquirir, mas consoante o dinheiro que tem disponível, pode encontrar o mesmo tipo de carro com maior ou menor antiguidade. Também deve ter em conta o custo de manutenção da viatura que se pretende adquirir;

3. Verifique os preços e garantia. O preço de um carro em segunda mão depende das condições de aparência, mecânica e quilometragem. Depende também do local onde é comprado. Pode encontrar carros em segunda mão na secção de carros usados dos concessionários automóveis, através de particulares ou nos vários stands automóveis online.

Geralmente, as vendas particulares são as que garantem veículos mais em conta, mas por lei o vendedor particular não é obrigado a dar qualquer prazo de garantia na viatura vendida;

4. Orçamentar todos os custos. Além do valor do carro a adquirir, é necessário ter noção de os outros custos que advêm da compra, nomeadamente, os custos de registo da viatura, próxima inspeção, se é necessário trocar pneus ou se se está a aproximar uma revisão;

5. Modos de pagamento. A pronto ou a crédito. As condições de pagamento a crédito, normalmente são mais penalizadoras do que as condições para viaturas novas;

6. Conheça o historial da viatura. Pode pedir, junto do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), uma “certidão de inspeções”. Este documento indica os quilómetros do veículo em todas as inspeções periódicas obrigatórias que fez. Basta indicar a matrícula do veículo.

Pode também pedir uma inspeção facultativa nos centros de inspeção periódica, mas precisa ter a autorização do vendedor e o documento único automóvel. Nestas inspeções, o técnico verifica o número do quadro, as luzes, as folgas de direção e de suspensão, os travões, fugas de óleo, os pneus. Depois, o centro emite um documento que atesta as condições do carro;

7. Faça um Test Drive. É a melhor forma para saber se o carro é aquilo que tinha em mente e é, também, uma boa maneira de perceber se o carro está em condições aceitáveis. Verifique se o carro tem espaço, se é confortável, qual é o estado dos pneus, dos travões e do ar condicionado.

Demore, pelo menos, meia hora a testar o carro em diferentes velocidades. Peça ao vendedor para ver os documentos referentes à inspeção da viatura;

8. Saiba negociar. Vá com um valor na cabeça, mas faça uma oferta inicial que seja mais baixa do que o preço máximo que está disposto a pagar. Deixe depois a negociação seguir até que haja um acordo.

Protegidos por garantia… com exceções

Novos ou usados, os automóveis têm direito, por lei, a dois anos de garantia a partir da data de compra. Mas conte com algumas exceções: se um particular lhe vender o carro, não é obrigado a dar qualquer garantia.

A obrigação da garantia só se aplica aos comerciantes, mas mesmo nestes casos existem algumas particularidades.

Por norma, os stands de usados propõem apenas um ano, o período mínimo permitido, oferecendo como contrapartida um desconto no preço de venda.

Atenção: com desconto ou não, garantias inferiores a um ano são inaceitáveis. Se lhe indicarem um período inferior – por exemplo, de seis meses – o acordo não é válido e vigorará uma garantia de um ano. Se durante o negócio nada for referido, aplicam-se os dois anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cardoso
    05 jun, 2018 22:35
    Acho muito bem! Porque por vezes compra se um carro E quando dao a garantia de 1 ano ou 6 Meses! Quer dizer que algo esta mal! No mei ponto de vosta nao se vai sair da Garagem a protestar que o carro nao esta bem da caixa de velocidades ou do Motor! E algo mais! E com a Garantia de 2 Anos! Estaramos mais confiantes!