O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Luís Cabral
A+ / A-

​Sindicatos no Século XXI

23 fev, 2018 • Opinião de Luís Cabral


A globalização levou a uma maior concorrência entre países, e os sindicados nacionais de cada país sofreram muito com este processo.

Finalmente, parece que a comissão de trabalhadores e a administração da Autoeuropa chegaram um acordo, ou pelo menos a um pré-acordo. Em questão estavam os aumentos salariais bem como outros elementos do contrato de trabalho.

Notícias deste tipo são menos comuns do que eram no Século XX: os sindicatos já não têm o poder que tinham. Em primeiro lugar, as grandes empresas deste século (Google, Apple, Facebook, etc) têm uma cultura muito diferente da cultura sindical de uma Peugeout ou US Steel.

Em segundo lugar, a globalização levou a uma maior concorrência entre países, e os sindicados nacionais de cada país sofreram muito com este processo. Há algumas semanas, Carlos Silva chamava a atenção para o "risco de os alemães perderem a paciência". Neste contexto, "perder a paciência" significa escolher outro país que não Portugal para efeitos de produção de peças e montagem de automóveis.

Para além das mudanças culturais e da concorrência internacional, as próprias estruturas empresariais vão mudando: as empresas-plataforma, como a Amazon, Uber e AirBnB, são cada vez mais comuns; e o poder negocial dos trabalhadores nestas empresas é significativamente inferior.

Este é um dos grandes desafios do Século XXI: como proteger os direitos dos trabalhadores numa economia cujas instituições se mostram cada vez menos adequadas aos problemas em questão?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    23 fev, 2018 Viseu 09:30
    Análise interessante!