O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Luís Cabral
A+ / A-

​O "cartel" do futebol

17 nov, 2017 • Opinião de Luís Cabral


Guido Infantino era suposto pôr fim a uma era de corrupção na FIFA. Vários indícios sugerem que a corrupção se mantém a vários níveis.

Neste momento, quando se fala da FIFA fala-se sobre o Mundial de 2018, os jogos de preparação, o sorteio dos grupos, os jogadores que serão escolhidos, etc.

Muito menos importante no imaginário colectivo e na atenção dos media são os problemas de ética e de governação que se mantêm no órgão máximo do desporto máximo do planeta. É pena que assim seja, pois trata-se de problemas graves.

Em Maio de 2016, o Congresso da FIFA decidiu atribuir ao Conselho da FIFA os poderes de eleger e remover os membros dos corpos de supervisão, incluindo os comités de ética e de supervisão. Domenico Scala, então chefe do Comité de Auditoria e Conformidade, demitiu-se em protesto contra uma medida que efectivamente punha a faca e o queijo na mesma mão.

A FIFA retorquiu então que Scala interpretou mal uma proposta que, diziam os dirigentes, tinha como função tratar dos períodos de transição e remover os membros acusados de qualquer contravenção.

A proposta da FIFA (que, ao que parece, não foi circulada antes do Congresso) foi aprovada por 186 votos contra 1. O tempo veio a dar razão a Scala.

Miguel Poiares Maduro, que no mesmo Congresso foi escolhido para chefe do Comité de Governação, foi despedido há alguns meses pelo Presidente da FIFA, Guido Infantino. Embora não conheçamos todos os pormenores, parece claro que o motivo para o afastamento foi a oposição de Maduro à presença nos órgãos da FIFA de Vitaly Mutko, vice-primeiro ministro russo, pois tal violaria uma regra central da FIFA: a independência política.

Infantino era suposto pôr fim a uma era de corrupção na FIFA. Vários indícios sugerem que a corrupção se mantém a vários níveis. Mais importante ainda é o facto de a governação da FIFA se manter essencialmente dominada por um grupo de "insiders".

O "cartel" do futebol mantém-se em grande força.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    17 nov, 2017 Viseu 11:33
    Excelente análise de LC: Concordo: «O "cartel" do futebol mantém-se em grande força». É que a fome insaciável de dinheiro e de poder pode condicionar facilmente pessoas sem moral e sem caráter...