O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Luís Cabral
A+ / A-

​Petróleo na Costa Vincentina

23 mar, 2018 • Opinião de Luís Cabral


O bom, o mau e o vilão na "Sondagem de pesquisa de hidrocarbonetos Santola 1X".

1. O bom

Em 2015, sendo ainda Jorge Moreira da Silva Ministro do Ambiente, o MA (então MAOTE) cria o portal oficial Participa, "onde são disponibilizados os processos de consulta pública a cargo do Ministério do Ambiente". Confesso que, nestes quase três anos desde a sua criação, não tinha tomado conhecimento deste instrumento. Tal como indicado na página da net, um dos objectivos é o de "incentivar a participação informada" por parte dos cidadãos. Continuando a citar, "no Participa encontra toda a informação relevante sobre os processos sujeitos a consulta pública do MA. Pode pesquisar os processos na sua região, acompanhar processos que tenha interesse, partilhar nas redes sociais e enviar contributos de participação".

A iniciativa do anterior ministro é louvável e, em termos gerais, a estrutura do portal parece-me boa. Oxalá este tipo de iniciativas fosse extensível a outras áreas de governação.

2. O mau

Um dos processos actualmente considerados pelo MA é a possível prospecção de petróleo ao largo da Costa Vicentina. Quem queira encontrar este processo no portal Participa terá grande dificuldade em o fazer. O título do processo em questão, ou pelo menos a parte que aparece na lista de processos, diz "Apreciação prévia de sujeição a procedimento de Avaliação...", seguido de dois "tags" que classificam o processo como "A. P. Ambiente" e "Avaliação de Impacte Ambiental". Como se pode esperar que um cidadão comum chegue ao processo em questão com este tipo de informação?

Bem, mas pelo menos o portal tem um motor de busca; talvez assim consiga lá chegar. Tentei "petróleo": aparece um processo, mas não o relevante. Tentei "vicentina": aparece outro processo, mas ainda não o relevante.

Felizmente, uma pessoa amiga enviou-me o "link" directo. Entrando nesse processo, vejo que o título correcto é "Sondagem de pesquisa de hidrocarbonetos Santola 1X". Como se pode esperar que um cidadão comum que procure exploração de petróleo na Costa Vincentina (a linguagem do cidadão comum) chegue à consulta sobre "Sondagem de pesquisa de hidrocarbonetos Santola 1X"? Não admira que, ao fim de 584 consultas, o portal apenas tenha recebido 1315 comentários, cerca de 2 comentários por consulta.

3. O vilão

A consulta referente à "Sondagem de pesquisa de hidrocarbonetos Santola 1X" inclui uma série de documentos. Eu estava particularmente interessado na questão do "fracking". O problema é que há um risco sísmico importante associado ao "fracking". Nos Estados Unidos, por exemplo, o "fracking" tem gerado numerosos sismos (consultar, por exemplo, o site do U.S. Geological Survey). Estando o local em questão (Costa Vincentina) tão próximo da zona sismogénica relevante a Sul e a Sudoeste do continente, os riscos são particularmente grandes: o grande terramoto de 1755 já passou há muito tempo, mas a falha ainda lá está.

Não consigo encontrar no Participa qualquer referência a "fracking" ou a sismos. É possível que a prospecção em si não implique "fracking", apenas a exploração propriamente dita. No entanto, parece-me elementar que, ao considerar o licenciamento da actividade de prospecção, se considere já também a possibilidade de exploração.

Feitas as coisas desta forma, parece-me que o melhor seria não fazer a consulta de todo em todo. Dessa forma, o MA não sentiria a (falsa) legitimidade que uma consulta tão limitada poderá sugerir.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro M. Pereira
    24 mar, 2018 Lisboa 09:35
    Caro Luís, o fracking é uma técnica utilizada na produção de petróleo em formações de xisto (shale) e não é utilizada em projetos deep-offshore, como é o caso deste. Neste caso, o fracking foi apenas um “cry wolf” introduzido por alguns dos grupos ambientalistas menos escrupulosos para assustar as pessoas. Cumprimentos
  • MASQUEGRACINHA
    23 mar, 2018 TERRADOMEIO 19:45
    Muito bom artigo, sobre dois temas de grande pertinência: a questão da prospeção de petróleo em Portugal, e a questão da prospeção de informação no portal do MA. Excelente conclusão final.
  • jc
    23 mar, 2018 TNovas 14:30
    Petróleo? Qual petróleo? Nunca iremos ter petróleo. Ou porque fracking, ou porque é preto ou branco ou vai haver sismo ou para preservar o tubarão branco e o pardal da Catalunha. Nunca...
  • João Vieira
    23 mar, 2018 Lisboa 09:28
    A exploração de petróleo não afeta o turismo. Pelo contrário. É mais que altura de aproveitarmos os nossos recursos para termos meios para nos desenvolvermos e melhorar a qualidade de vida dos portugueses.