O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Tudo em aberto

21 jun, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Mesmo ganhando a Marrocos, Portugal produziu uma exibição de fraca qualidade, e não foram as notáveis actuações de Rui Patrício e de Cristiano Ronaldo e estaríamos a esta hora a lamentar a possibilidade do nosso afastamento prematuro.

Duas vitórias tangenciais sobre adversários que pareciam estar mais facilmente ao seu alcance colocaram Portugal e a Espanha no comando do Grupo B do Campeonato do Mundo de Futebol. Os espanhóis ficam no entanto em vantagem devido ao facto terem menos um cartão amarelo nos dois jogos já disputados por ambos. Sim, porque o aspecto disciplinar poderá acabar por determinar a posição de Portugal e da Espanha na tabela classificativa no termo da fase de grupos, que ontem entrou na segunda jornada.

Depois de se terem confrontado na ronda inaugural com um empate a três golos, as duas selecções ibéricas dispunham de oportunidades soberanas para, no caso dos espanhóis confirmarem a classe da sua equipa, e do lado lusitano para refazerem a imagem de uma equipa pouco inspirada e muito dependente da sua maior estrela, CR7.

Nem uma nem outra das selecções conseguiram alcançar esse desiderato.

Mesmo ganhando a Marrocos, Portugal produziu uma exibição de fraca qualidade, e não foram as notáveis actuações de Rui Patrício e de Cristiano Ronaldo e estaríamos a esta hora a lamentar a possibilidade do nosso afastamento prematuro da grande competição mundial.

Já a Espanha também não foi capaz de produzir uma exibição brilhante tendo, ao contrário, sentido um enorme aperto até ao apito final do juiz.

Retirando a selecção africana do lote, porque já tem ordem de marcha de retorno ao seu país, mantém-se tudo em aberto para as demais equipas restantes.

Por isso, até à próxima segunda-feira vai continuar a ser possível desenhar todos os cenários.

Espanha-Marrocos e Portugal-Irão encerram a fase de grupos daqui por cinco dias.

Até lá, do nosso lado, o seleccionador vai ter imaginar soluções pouco fáceis e que poderão passar, inlcusivé, por alterações radicais de monta, que permitam a Fernando Santos apresentar um onze com uma nova face e, sobretudo, com uma muito maior capacidade de colocar em campo as faculdades que todos lhes reconhecemos.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Rocha
    21 jun, 2018 Leça da Palmeira 10:18
    Vejo que o Caro Ribeiro Cristovão também aderiu ao conjunto daqueles que se sentem obrigados a afirmar, em todas as circunstâncias, a notabilidade de Cristiano Ronaldo, mesmo que isso não corresponda aos factos. Comparar, ontem, o desempenho de Rui Patrício com o de Cristiano é um gesto de menosprezo por aquele que evitou a nossa derrota. Cristiano marcou um golo demonstrando, uma vez mais, essa rara qualidade de goleador que é. Depois disso, foi-se apagando de tal modo que, na segunda parte, raramente tocou na bola. Chama a isso "uma actuação notável"!!! Metendo-o no mesmo saco de Rui Patrício? Francamente!