O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Domingo, 24 de setembro de 2017

D. Francisco Senra Coelho


O Evangelho de hoje narra-nos a Parábola dos “trabalhadores da vinha”. O Senhora da vinha, porque tem pressa em terminar a colheita, sai a várias horas para encontrar trabalhadores para a sua vinha. Com os grupos das diferentes horas, combina o montante a pagar pela jorna. Por fim quer pagar a mesma quantia a todos os trabalhadores, começando pelos da ultima hora. Nesta catequese Jesus proclama a gratuidade do Amor de Deus. Jesus ensina que ninguém se deve julgar credor de Deus e com direitos prévios já adquiridos. Ninguém na comunidade é veterano e por isso superior aos outros.
Pedimos-Te Senhor, o Dom da gratuidade. Que aprendamos todos contigo a lógica da dádiva da vida e aceitemos com alegria os dons que concedes aos outros. Nunca nos deixes ser donos de nossas vidas e das nossas coisas, mas administradores dos dons que Tu no ofereces e de que um dia prestaremos contas.
Bom dia!

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.