O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Oração da Manhã
A+ / A-

Sexta-feira, 17 de novembro de 2017

D. António Couto


Oração da Manhã - 17/11/2017
Oração da Manhã - 17/11/2017
Na verdade, deixando respirar o Evangelho, e sentindo-lhe o calor, o odor e o vivo pulsar, vemos bem que Jesus não nos deixou palavras mortas, para nós guardarmos cuidadosamente em latas de conserva, deitadas e adormecidas num caldo de azeite rançoso, como se fossem múmias. Jesus não nos deixou palavras de conserva, para nós as mantermos congeladas por milhares de anos, mas deu-nos palavras vivas e ardentes, a saltar, para servir já, e para nos alimentar. Neste nosso mundo líquido e escorregadio, habitado por sete biliões de solidões, precisamos mais do que nunca das palavras de Jesus, para se fazer luz, e para podermos outra vez colher a esperança com as nossas mãos rugosas, como se fossem sementes ou grãos que semeamos, e de cujo chão pode nascer um mundo novo.
Senhor Jesus, neste tempo embaciado de novembro, senta-nos à tua mesa, e serve-nos o teu pão que enche de paz o coração.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.