O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Fora da Caixa
António Vitorino e Pedro Santana Lopes debatem a actualidade europeia. Quarta às 19h
A+ / A-
Arquivo
Fora da Caixa

Santana "esperava mais" de Guterres na ONU

27 jul, 2017


Os incêndios florestais em Portugal e o apoio da União Europeia, a importância de uma agência europeia em Portugal, um primeiro balanço do mandato de António Guterres nas Nações Unidas, a possibilidade de sanções à Venezuela foram temas em análise no Fora da Caixa desta semana, com António Vitorino e Pedro Santana Lopes.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Conciência
    28 jul, 2017 Taquáras 10:45
    Ele desiludiu-te. A mim não! Já te esqueceste, que quem manda na ONU foi quem lá o instalou. A classe dominante e iluminada aquela que nasceu no pré revolução francesa. Sim a que trouxe liberdade ao mundo! Liberdade de 40 mil guilhotinas, só em frança. Liberdade da guilhotina! São estes senhores que fazem a paz e a guerra, as crises económicas e os periodos de abundância, sim para os ricos, assim como fazem cair governos e instalar outros, ou já te esqueceste! Eu ouvi da tua boca, "estava escrito nas estrelas do céu". Nos Açores o portugal esteve nas mãos deles. Com alvíssaras. A um a união europeia, a outro os refugiado, aquele que nada sabia o alto secretariado para a união das religiões (a personificação do anti-Cristo que em breve governará o mundo). Para o grilo o governo da manta de retalhos à beira mar plantada. Para os Portugueses a crise económica de 2008 a 2015.
  • Luis
    27 jul, 2017 Lisboa 11:18
    De Santana então nada se espera. Só tachos.